quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

Jesus: O Nome Mais Vulgarizado Atualmente

Leitor, você já deve ter percebido como embora seja o mais pregado, o mais imposto e o mais falado, o nome de Jesus (que a paz esteja com ele) também vem sendo o mais vulgarizado, e das formas mais originais e criativas possíveis? E o mais irônico de tudo isso é que a desculpa encontrada é sempre a mesma: evangelizar os que ainda não conhecem Jesus. É óbvio que essa é a desculpa aparente, por trás disso tem toda uma questão de monopólio das massas para engordar os bolsos de certos pastores imorais que são na verdade "verdadeiros lobos em pele de ovelhas".
Temos por exemplo o Guaraná Jesus. Já pensou na praia um vendedor com o isopor a tiracolo gritando: "Um Jesus por R$ 1,00 freguesa!". Seria cômico se não fosse trágico.
Há certo tempo atrás em uma rua próximo à minha casa, estava indo comprar pão, quando me deparei com uma das coisas que achei mais absurdas em termo religioso, pois não mostrava qualquer respeito ou reverência a pessoa de Jesus, nem como Profeta, e muito menos como Deus, já que o Cristianismo o vê dessa maneira. O fato é que no chão, na própria rua estava escrito: Jesus Cristo é o Senhor. Ora, nem mesmo nós como muçulmanos que o vemos como o Messias, um grande Profeta, o Mensageiro enviado por Deus, o Verbo de Deus, mas não como filho de Deus e menos ainda como Deus, seríamos capazes de escrever seu nome num local onde carros passam, pessoas pisam em cima, cavalos defecam, enfim... Onde está o respeito a Jesus? Só podemos chegar a conclusão que foi perdido, ou melhor, vendido para o mercado capitalista de hoje.
Bem, creio que todos já devam ter visto aquelas pichações nos muros pela cidade do Rio toda em que diz coisas do gênero: "Só Jesus expulsa o demônio das pessoas, Só Jesus expulsa o Tranca-Rua das pessoas, a Maria Padilha, o idólatra, o mentiroso... enfim e uma infinidade de outras palavras sempre se referindo a algo personificado, mesmo em se tratando de vícios". Pois muito bem, e quem expulsa o pichador das pessoas? Será que Jesus que expulsa até demônios não é capaz de banir o pichador dele? Contraditório não? Isso é o que faz o fanatismo.
Na verdade tais atitudes só vêm contribuindo para o crescimento de pessoas ainda mais fanáticas, inconscientes do real Cristianismo que engloba o amor, a caridade, o não julgamento e a misericórdia, e também para o vertiginoso crescimento dos grupos agnósticos e até mesmo ateus.
Certa vez conversava com um Pastor que me disse que o Paulo havia dito que o Culto deve ter Ordem e decência. Perguntei a ele como se poderia ter ordem em certas igrejas em que enquanto o pastor fala os fiéis gritam simultaneamente.
Se você leitor já assistiu o filme "Lutero", perceberá que estão fazendo o que fizeram na época dele. Porque ele não queria ser um opositor do catolicismo, mas reformar algumas coisas apenas. No entanto ao ensinar, alguns radicais levaram ao extremo de quebrar qualquer símbolo cristão, saquear igrejas católicas e etc. Tenho certeza que se Lutero estivesse vivo hoje, estaria em profunda depressão por tais atos.
Se isso ainda não bastasse em conversa com uma amiga evangélica, esta veio me dizer que o Protestantismo começou com esse mesmo Apóstolo Paulo. Disse a ela que não, que havia iniciado no século XVI com Martin Lutero. Ela disse que o seu líder religioso a ensinara assim, e que como há na Bíblia a palavra Pentecostes, e eles são pentecostais... é uma prova irrefutável de sua fundação naquele período. Veja a que ponto chegam tais oportunistas a ponto de mudar a história.
O que estranho muito, e não escondo isso é que muitas pregações são feitas as vezes em praças e esquinas e em quase todas as ocasiões em tom agressivo aos estilo de inquisidores. Não obstante, eu pergunto: onde entra a aplicação prática das passagens bíblicas encontradas em: Mt.6:5, Mt.7-5, Mt7:12, Mt.7:15, Mt.7:21-23? Eu mesmo enquanto clérigo, já passei certa vez pela seguinte experiência: Estava passando por uma rodoviária voltando de uma missa que havia realizado, e estava obviamente de batina. Um homem que pregava aos berros falava de acontecimentos que ocorriam na sociedade naquele período, dizendo não ser normal e fazendo previsões catastróficas sobre o fim do mundo. Quando eu passei diante do mesmo, este diz em alto em bom som que não era normal Padres pedófilos. Bem, o que posso dizer é que este assunto não estava em evidência na mídia na época. Simplesmente olhei para o mesmo e continuei o meu caminho. como eu diversas outras pessoas já me relataram coisas semelhantes.
O que leva uma pessoa a perder tanto tempo tentando destruir o caminho alheio e deixando até mesmo o seu de lado para tal? Creio que a única palavra seja "ego". Tanto que assim já dizia o Profeta Salomão: "Vaidade das vaidades, e tudo é vaidade".
Quando resolvi dar nome a este blog, ele foi escolhido inspirado mo momento atual, que parece uma repetição do "Período das Trevas" onde os Cristãos medievais declaravam "Morte aos Infiéis!".
Há sem dúvida igrejas evangélicas sérias hoje em dia tais como a própria Igreja Luterana, certas denominações batista e etc. Mas a maldita "Teologia Imediatista da Prosperidade" tem profanado as coisas sagradas, tem desfeito casamentos, tem feito com que as pessoas procurem a Deus não por Ele próprio, mas para que possam auferir alguma forma de lucro, conseguir um bom carro, uma boa casa. Ora, mas isso se consegue trabalhando. Tais igrejas condenam tanto religiões como Umbanda e Candomblé onde se vai para pedir coisas segundo as suas alegações. E o que estão fazendo? Não estão tentando adaptar a macumba como eles vulgarmente chamam, a um meio evangélico? Sinceramente leitor, não entendo como tais instituições que distribuem rosas vermelhas, sal grosso, arruda, banhos de descarrego e vendem a "chave para o céu" podem se auto-proclamar as detentoras da verdade. E se a Igreja Evangélica possui a verdade, quais delas então possui, uma vez que cada dia que passa se dividem mais e mais por conflitos doutrinários? Há uma brincadeira com o povo, não em nome de Deus, pois seus líderes já o esqueceram. No máximo quando falam, só se referem a Jesus. Tornaram-se como os uniatas, em que crêem que Jesus é o próprio Deus e que não há qualquer outro. Até mesmo o título de filho já foi abandonado, pois ele jáfoi promovido ao cargo de seu próprio Pai.
Diz a Bíblia que não se pode servir a Deus e as riquezas, porque ou se amará a um e se desprezará o outro. Bem, podemos ver que Deus tem sido abertamente desprezado. Antes se o foco era Deus e a ele se prestava um culto, hoje o foco é a população, e para ela se faz um Show. Até mesmo porque shows podem ser cobrados e não há nada de imoral nisso.
Meu querido leitor ou o Profeta Jesus foi um grande Mestre Espiritual enviado por Deus ou foi um homem de negócios experiente e um "executivo" bem sucedido de sua época, pois senão nada justificaria uma Bíblia focando apenas a vitória financeira. Ora a Bíblia não é sempre a mesma? Como podem então questionar por exemplo a autencidade do alcorão, uma vez que têm tantas versões Bíblicas, uma para cada gosto? Creio que estas são perguntas que talvez nem tão cedo teremos respostas. Mas creio que uma já tenhamos: A nova Babilônia certamente não está na Igreja Católica ou no Islam.

Um comentário: