domingo, 22 de fevereiro de 2009

A Fraternidade Interreligiosa

É um absurdo que em pleno século XXI, onde a tecnologia leva ao homem a gerar outro ser humano através de laboratório, a cloná-lo, a ir à Lua, a Marte e a fazer diversas outras façanhas, ele ainda não tenha aprendido o respeito mútuo, a tolerância e o valor da fraternidade. E isso se agrava ainda mais quando entramos no campo da religião, pois se subentende que a pessoa religiosa é aquela que reúne todas essas características, e assim deveria ser ainda mais quando tratamos de líderes deste âmbito. No entanto o que temos acompanhado é uma verdadeira disputa entre ideologias, e essa pelos motivos mais escusos, que nem de longe lembram a busca pela aproximação do Ser Supremo em comum a todas essas denominações.
O muçulmano, o judeu e o cristão não devem olhar um para o outro como rivais e inimigos, pois vêm de uma mesma raiz, tendo o primeiro como seu Patriarca por descendência direta (por assim dizer) Ismael, filho de Abraão, enquanto o segundo tem Isaac, também filho do mesmo pai, já o cristão assume esta segunda linhagem também, porém pela adoção, pois adota também Abraão como seu Patriarca e Profeta. Ora, se as três religiões têm uma origem em comum, uma base de crença em comum em sua essência que é a Profissão de fé em um Deus Único; por que então a guerra e a richa tão comum entre elas? Porque não seguir o que diz o cumprimento das três também em comum? Porque o judeu não pratica o seu Shalom, o muçulmano o seus Salam e o cristão "a paz do Senhor" ou "a paz de Cristo"? Com toda certeza isto não agrada nem aos Profetas que nos precederam, em especial: Moisés, Jesus e Muhammad, como também não é aprazível aos olhos do Eterno.
Muito se fala sobre a paz mundial, pensa-se em tratados, acordos e etc. Mas a grande verdade é que ela só será conseguida não pela concórdia entre líderes apenas, mas entre todos os seus fiéis. Para um grande passo basta apenas um pequeno gesto de cada um.

Só seremos autênticos muçulmanos, judeus ou cristãos se colocarmos em prática o que está escrito em nossos respectivos livros, sem no entanto tentarmos provar a nossa supremacia sobre os demais.
Não esperemos que Barack Obama, ou Bento XVI ou qualquer outro líder religioso dê algum jeito nesta calamidade sectária em que estamos vivendo. Comece por você mesmo.
Quando era clérigo certa vez estava em uma vam quando um grupo de candomblecistas fez sinal para a mesma. eu estava sentado no banco da frente ao lado do motorista vestido com minha batina, pois vinha de uma missa, nos bancos traseiros um grupo de evangélicos falavam a respeito de seu culto. Ao avistarem porém o outro grupo que também entraria naquele transporte um de seus representantes disse ao motorista que se eles subissem eles desceriam. Sem pensar duas vezes seu interlocutor disse: "Então por favor o senhor desça, pois vou parar para eles sim. Algum problema para o senhor Padre?" de minha parte respondi que não havia qualquer empecilho, e os outros desceram, e no ponto mais a frente os candomblecistas subiram e nos perguntaram se eles haviam desistido da viagem por causa deles.
na sexta-feira passada 20/02/2009 estava em um ônibus indo para a Mesquita fazer a nossa oração coletiva semanal, e estava trajado tipicamente como muçulmano, quando de repente ao descer um senhor de meio idade dirige-se para um ancião após olhar para mim e diz: "Esse povo já crucificou Jesus Cristo, não se pode esperar muita coisa deles". Bem, talvez este homem não tenha estudado história o suficiente, mas os muçulmanos nada têm haver com a crucificação de Jesus, até mesmo porque segundo cremos o mesmo nem seque passou pela cruz ou morreu, mas ascendeu diretamente para Deus, e voltará no dia do juízo final.
Mas o que quero dizer com isso é que o preconceito advém em grande parte da falta de conhecimento. No entanto urge que as pessoas se informem, procurem saber do que falam e não sejam guiados por líderes promíscuo que buscam seus interesses próprios em detrimento do coletivo.
Enfim, a paz mundial é possível, mas ela começa primeiro por você e eu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário