quinta-feira, 12 de março de 2009

A Inquisição do Século XXI


"A mulher é a porta do inferno", diz um antigo provérbio cristão, o qual a Igreja ainda hoje mesmo que veladamente mantem em vigor.
Assim como nos regimes ditatoriais e na "Santa" Inquisição durante o período medieval, podemos hoje perceber que tal linha de raciocínio é bem presente no meio de certas religiões. Isso fica ainda mais claro quando nos deparamos no Brasil, em pleno século XXI com o caso da menina de 9 anos que foi estuprada pelo seu padrasto e como consequencia de tais atos engravidou deste fascínora.
Ao invés de buscar dar suporte psicológico e amparar a menina, a Igreja prefere excomungá-la por ter cometido aborto, sem pensar que se deixasse seu filho (fruto de um ato hediondo também abominável aos olhos de Deus segundo a própria Bíblia) nascer, estaria cometendo o grave pecado do suicídio. No entanto o Bispo D. José preferiu impor a excomunhão sobre uma criança inocente, vítima de um crime bárbaro e condená-la ao inferno, como também ao médico que a auxiliou no aborto, que ampará-la caritativamente como o proprio Jesus o faria. No etanto esta mesma Igreja na pessoa de seu atual Papa Bento XVI chama há algum temo atrás o Islam de "religião irracional e cruel". Bem, quem de fato merece tal título? Nós?
Ao invés de condenar tal menina e seu médico que diga-se de passagem é católico praticante o que fazer com a besta humana do padrasto? O que fazer com a "mãe" (se é que podemos chamar assim) dessa menina, que mesmo ciente dos fatos que ocorriam frequentemente, não colocava seu marido prara fora de sua residência apenas porque precisava financeiramente dele?
Onde está o Cristo bom, fiel e justo que a Igreja Católica Apostólica Romana sempre ensina? Quais são as provas tangíveis dadas por seus clérigos da misericórdia desse Deus e de sua justiça? Só podemos chegar a conclusão que nada mais são que os famosos "sepulcros caiados" citados por Jesus; de bela aparência por fora, mas podres por dentro.
É contraditório que uma instuição que tenha lançado uma campanha a favor da vida seja a favor da morte de uma criança de 9 anos em detrimento de um recém-nascido que ficaria órfão.
Ou a Igreja Católica Romana desce de seu pedestal e seus bispos e papa mostram ser pessoas como todas as outras, passíveis de erros e equívocos, ou continuará sendo o que já tem sido há séculos, um Zubi, caminhando pela terra num corpo desprovido de espírito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário