quarta-feira, 24 de junho de 2009

O Falha no Sitema dos Ayatollah

Temos acompanhado nos ultimos dias desde as eleições no Iram, as manifestações contra as fraudes ocorridas nesta ocasião, onde o atual Presidente do país, Mahmud Ahmadinejad foi reeleito para a próxima gestão. Porém, mesmo ciente de tais trapaças, o Ayatollah Ali Khamenei não só faz vista grossa como protege tal atitude, contrariando assim o que se espera de um líder político e espiritual que segue o que segundo o mesmo diz ser a pura Shariah (jurisprudência Islâmica). Fato este que nos espanta e muito, pois a lei no Islam é baseada no Alcorão e na Sunnah do Profeta Muhammad (que a paz de Deus esteja com ele), e certamente não dá respaldo a este tipo de posição, que na realidade só degrada aos muçulmanos e ao Islam perante o povo ocidental, como se estes fossem de fatos ensinamentos oficiais da religião.

Escondendo-se sob os véus de clérigo de um religião sem clero, semelhante ao Papa o Ayatollah é tido como infalível. Ora e quem senão Deus pode ser infalível, uma vez que a falibilidade é inerente a condição humana? Porém em nome do poder tudo é válido.

Se não bastasse a deturpação da religião como orinalmente ensinada e praticada pelos Sunitas, o sistema de Ayatollah dos Shiitas tem provado o quão incoerente, desumano e fraco, carecendo de sentido o é, uma vez que veta o direito do livre pensamento e de defesa de um povo oprimido como o Irã, superexalta um ser humano quase que á condição de divindade. O que sempre foi combatido pelo Islam altêntico como Shirk (idolatria).

A ultima crueldade cometida por este governo repressor e desumano, foi o covarde assassinato com um tiro à queima roupa, na iraniana Neda Agha, que participava de um protesto pacífico, estava desarmada e na companhia de se pai, que a viu morrer esvaindo-se em sangue com um projétil no peito feito pela Milícia liderada pelo "Santo" Ayatollah Khamenei, seu assino indireto.

Neda, cujo nome significa "voz", foi sim a voz a denunciar um sistema falido e corrompido há séculos que só agora se torna aparente. Uma jovem que possuia uma ida pela frente e que foi brutalmente assinada e enterrada indignamente de forma secreta por seus familiares. Ela que foi uma grande mártir desta revolução.
De nossa parte, nós (escritor e leitores) do blog "A Nova Cruzada", repudiamos veementemente a atitude deste Ayatollah que agiu para demonstrar o seu poder pessoal, e jamais em nome de Deus, como o diz fazer, pois o Sagrado Alcorão no diz que: "Aquele que haja matado um só homem, é como se tivesse assassinado toda a humanidade". E este o fez à uma mulher que embora estivesse protestando, não estava numa guerra. O Blog a Nova Cruzada está de luto em homenagem a Neda Agha e pela tristeza com que tais homens "infalíveis" têm profanado o Sagrado Islam.

Até Onde Vai à Liberdade de Expressão

Vivemos em um país livre, laico, onde fora o período da ditadura sempre foi permitida a liberdade de imprensa e de expressão. Se assim não fosse, mesmo este texto não poderia ser escrito, pois dependeria do crivo de um governo repressor.

A liberdade de expressão no Brasil chega a ponto de a altoridade máxima da nação, o Presidente da República ser parodiado em programas humorísticos. Mas até onde vai o direito à liberdade de expressão e passa-se à calúnias, difamações, apologias ao crime, intolerância religiosa e outras coisas mais? A pseudo liberdade dá lugar ao abuso e ao desrrespeito.

Um caso claro e que serve muito bem para ilustrar o que digo aqui é justamente o fato de vermos na mídia deturapções de acontecimentos em prol do sensacionalismo ou imposições de idéias. Hoje, dia 24 de junho no programa Mais Você da Rede Globo, apresentado por Ana Maria Braga, a mesma recebeu uma estudiosa sobre o Iram e um descendente de iranianos, para que falassem a respeito dos fatos políticos ocorridos nesse país. Porém por mais que esta catedrática falasse que tais incidentes são de origem política, Ana Maria Braga fazia questão de colocar a crença, ou seja o Islam como o grande responsável por todos os males no país do Aiatolás, o que fica evidente que isto não procede, pois o problema está justamente no sistema político do país, e não no religioso.

Outro exemplo claro do que este artigo se refere é o dos diversos constragimentos que nossos irmãos muçulmanos passam nas ruas ao andarem com seus trajes árabes e/ou islâmicos na rua, sendo chamados de terroristas, Bin Laden e outros tantos apelidos pejorativos. E tudo isso devido a tão famosa liberdade expressão.



Há algum tempo atrás em um episódio do antigo programa "A Diarista" na Globo, uma charge do Profeta Muhammad foi feita em um quadro o mesmo aparecia semi-nú com diversas mulheres em sua volta, e um dos atores em determinada parte da cena furava esta tela com o dedo indicador simulando o órgão sexual do Profeta. Ao serem questionados sobre o assunto, a produção do programa alegou que além de usarem do direito à liberdade de expressão, estavam querendo homenagear os muçulmanos. Ora, será que se quiséssemos homenagear um evangélico, e fizessemos uma caricatura de Jesus, com diversas mulheres ao seu redor e simulássemos o seu órgão sexual com o dedo, tais pessoas se sentiriam agradecidas por nossa lembranã de seu Mestre? Certamente quenão. Por isso há de se repensar até onde vai o direito de expressão, e onde começa o dever de respeito ao próximo.

sexta-feira, 12 de junho de 2009

O Pastor Super Homem

Senhoras e Senhores com vocês no Picadeiro (quer dizer, no Altar) o Pastor Super -Homem!

A cada dia que passa ficamos cada vez mais abismados com o que o "Marketing do Senhor Jesus" feito por igrejas neopentecostais, que satirizam na frente de todos os fiéis de boa fé, a sua crença como se fosse coisa banal, e assim ridicularizam o sagrado.
Na semana passada ao ligar a TV fui surpreendido por mais uma bizarrice neopentecostal do Ministério Voz da Verdade, que diga-se de passagem, deixou-me sem voz, e de verdade creio que não havia nem mesmo uma palavra.
Eis o que vemos no picadeiro que chamavam indevidamente de altar: um "pastor" fantasiado de Super Homem numa versão gospel. Achou demais? Calma, ainda não acabou. Para tornar ainda pior a situação e mais vexatória para os verdadeiros protestantes, o tal Pastor como uma vedete de cabaré ainda mostra a coxa para os telespectadores.
E se uma imagem vale mais que mil palavras, resolvemos colocar as imagens que embora possua baixa qualidade, pois foi tirada diretamente do televisor por um outro blogueiro que ficou tão pasmo quanto nós com esse espetáculo de desrespeito com o que os próprios chamam de "a palavra de Deus".
Mediante tais fatos, nos perguntamos o que mais falta fazerem para atrairem mais clientes fiéis para suas "Santas empresas": vestirem-se de Carmem Miranda? Drag Queen? Não duvide. Da forma como as coisas vão indo isso não será nado fora do comum. Porém escolha se você prefere seguir ao Profeta e Messias que trouxe o Evangelho e o Deus que ele adorou ou a "Pastores" esquizofrênicos. Saiba que a escolha é necessária, pois uma coisa invalida a outra.

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Judaísmo + Islam Sim. Judaísmo x Islam Nunca



Durante diversas décadas se criou para o povo ocidental a errônea imagem devido ao conflito entre israelenses e palestinos, que judeus e muçulmanos são rivais, verdadeiros inimigos mortais que se odeiam mutuamente. Nada mais distante da realidade.

A origem de nossas religiões e povos são as mesmas: todos somos filhos de Ismael (muçulmanos) e Isaac (Judeus), e ambos viemos de nosso pai Abraão. Por este motivo fomentar o ódio entre os dois povos é como lançar inimizade na família.

Todos os muçulmanos crêm na sacralidade da Torah (livro sagrado judaico), dos Salmos e na veracidade dos Profetas israelitas. Todos desejam que Shalom (paz em hebraico) ou Salam (paz em árabe) reine sobre a terra. Só que isso não ocorrerá de uma forma sobrenatural, mas partindo de cada um de nós. Olhando nossos primos judeus não como alguém estranho, mas como próximos a nós, e a mesma atitude deve ser esperada do lado judaico.

Aquele que se diz muçulmano e não crê na sacralidade do judaísmo não pode portar esse título, pois foi uma religião que possui mensageiros e livros enviados por Allah, o Deus único. Ou Adonai (Senhor) como chamado em hebraico.

é importante ressaltar que quando diversas vezes falamos contra algumas atitudes israelenses é porque somos sim contra o sionismo de Israel, mas nunca contra a religião judaica ou o povo judeu.

Com a graça de Deus aos poucos vemos tais barreiras caindo como castelos de areia, e em específico no Brasil gostaria de citar neste artigo alguém que vem contribuindo em muito para isso: o Rabino Sefard J. Oliveira, com o qual mantemos um relacionamento fraterno e harmonioso, e tem se mostrado um Mestre (Rabino) no verdadeiro sentido da palavra, livre de preconceitos e imbuido no seviço do Deus único ao qual adoramos igualmente sem parceiros ou semelhantes.

É interessante ressaltarmos que Judaísmo e Islam têm mais em comum nos séculos próximos que nós muçulmanos com o Cristianismo.

Por estes motivos de uma vez por todas devemos mudar o sinal usado no título deste artigo e ao invés de termos Judaísmo x Islam, devemos transformá-lo em Judaísmo + Islam, respeitando as particularidade de ambos os credos, mas nos unindo como memebros de uma mesma grande família que somos sob a unicidade do Deus Único e soberano ao qual adoramos.

terça-feira, 9 de junho de 2009

O Modismo Acima da Razão


Quantos de nós até alguns poucos meses atrás ouviamos afirmações tais como: "muçulmanos e árabes são terroristas", "ou de árabes e muçulmanos não vem nada que preste"? Bem, o fato é que isso se deu principalmente pela lavagem cerebral feita pelo Sr. Gorge W. Bush, o pior presidente de toda a história dos Estados Unidos da América - E.U.A. Ganacioso e de temperamento belicoso, Bush foi sem sombra de dúvidas o novo Hitler do século XXI.

A consequencia de suas ações podem ser sentidas por nós muçulmanos até os dias de hoje ao andarmos pelas ruas aqui no Rio de Janeiro e como relatado por outros irmãos, em outros países também.

Porém embora a difamação dos árabes e muçulmanos tenha tomado esta grandiosa proporção não é difícil vermos por todo o mundo as vezes das formas mais ridículas pessoas tentando seguir a moda árabe, tais como mulheres usando kafia, um traje tipicamente masculino; ou como um homem no Brasil que pratica dança do ventre, uma dança de origem egípcia exclusiva para mulheres.

Com o discurso do atual presidente Barack Obama na universidade do Cairo no Egito para um enorme público muçulmano já pude notar porém a mudança de pensamento de algumas pessoas altamente preconceituosas, já comçarem a nos olhar de maneira menos fria e distante, e passarem a nos tratar como seres humanos, e não mais como predadores do gênero humano. Porém ficam as perguntas: Será que estamos exercitando o nosso discernimento ou estamos nos deixando levar ao sabor do vento deixando que outros pensem e escolham por nós? Porém se os padrões sociais que se hoje em dia fora do meio islâmico, repleto de milícias, tráfico, sensualidade desmedida, crianças grávidas, proliferação do HIV, crises econômicas e etc. nos satisfaz, então não temos nada o que fazer a não ser comemorarmos o avnço da "civilização". Porém se cremos que tudo isso não é o melhor para nós, devemos parar e analizar se não estamos renunciando pouco a pouco a nossa condição de seres humanos e vivendo na condição de animal doméstico guiado pela cabeça dos poderosos, dizendo o que devemos vestirou usar, ou falar ou fazer. O modismo sempre esteve presente desde que há o consumismo, mas nunca deve sobrepujar a razão como vem ocorrendo.

A Degradante Cultura Popular Brasileira

Tenho notado o quão impressionante é a cultura popular brasileira que segue um padrão tão diferente dos países islâmicos e mesmo dos europeus.

Se observarmos a massa brasileira segue as idéias impostas pela mídia de uma maneira quase que hipinótica. A cultura do povo resume-se em Jornal Nacional, Novela das 8 e Funk. Isto no Rio de Janeiro e em São Paulo torna-se ainda mais gritante. Porém infelizmente o poder de discernimento do povo, se é que houve em alguma época, foi abandonada há muito. E a TV e o rádio ao invés de colaborarem para o crescimento intelectual da população, fazem o serviço inverso. Vejamos: o Jornal Nacional pertencente a TV Globo, assim como sua emissora é altamente tendencioso em suas matérias, a atual novela das oito, é escrita por Glória Peres, uma autora que após conhecer uma cultura em um mês ou alguns dias, se apropria de tal forma da mesma tentando adaptá-la a esta suposta cultura popular brasileira que nos referimos, criando assim um verdadeiro caos cultural, como por exemplo em Caminho das Índias que junta Dubai nos Emirados Árabes com a Índia e o Rio de Janeiro, desta forma não só uma pessoa mas várias já me perguntaram ao me ver trajado em vestes árabes como é seguir uma religião indiana. Mediante isso respondi que não sabia, pois a minha é de origem árabe. Além do mais se tornou normal ao andar na rua ouvi gente aos gritos dizendo: Hare Baba! Hare Baba!. Porém ao questionar uma dessas pessoas sobre o que queria dizer tal expressão, qual foi a minha surpresa ao ouvi-la dizer que não sabia. Ora! Como podemos implicar com alguém utilizando algo que desconhecemos? Se isso ainda não bastasse é comum a apologia a depravação sexual e orgias, bem como frases que doem em nossos ouvidos tais como: "É Nós mermão!". E chamamos isso de cultura? Isto é o que nosso povo tem aprendido.

Diferente dos povos europeus que buscam tornar seu povo mais politizado, promovendo exposições artísticas, peças teatrais e etc., Em nosso país existe uma grande tendência a justamente tolir isso da massa de forma que possa dirigi-la como melhor lhe convier, motivo pelo qual a impunidade cresce em no Brasil e cada vez mais analfabetos vendem seus votos, colocando para nos representar os piores fascínoras que só afundam cada vez mais a nossa "Patria Amada".