sexta-feira, 10 de julho de 2009

O Terrorismo Ocidental Faz Nova Vítima: "A Mártir do Hijab"

Depois da iraniana Neda Agha Soltan morta à menos de um mês no Irã devido ao protesto contra a eleição do Presidente Mahmud Ahmadinejad, eleito de forma ilegítima e corrupta, encoberto pelo Ayatollah Ali Khamenei, agora foi a vez da egípcia Marwa Sherbini de apenas 31 anos. Residente na cidade alemã de Dresden, Marwa havia processado um homem alemão conhecido pelo nome de Axel W, de 28 anos pelo fato do mesmo ter ofendido a sua religião e de tê-la chamado de "terrorista", apenas por usar o hijab (o véu islâmico).
Na corte, onde estava devido ao seu recurso contra pagar uma multa de €$ 750,00, e após condenado, Axel W esfaqueou Marwa 18 vezes diante de seu filho de três anos e de seu marido Elwi Okaz, que também está internado em estado crítico por tentar defender sua esposa. O assassino só parou depois que um policial ter atirado contra o agressor, o que também atingiu o esposo de Marwa, juntamente alguns golpes de faca.
Os médicos foram incapazes de salvar a Srª. Sherbini que estava grávida de seu segundo filho que já contava com 3 meses.
O Ministério Público diz que o alemão cometeu tal ato devido ao extremo ódio alimentado por estrangeiros e muçulmanos.
Jornais do Egito resgistraram sua indignação.
O corpo da mulher que ficou conhecida mundialmente como "A Mártir do Hijab" foi levado para sua terra natal e enterrado em Alexandria, numa cerimônia que contou com a presença de altoridades políticas, militares e diplomáticas, juntamente com centenas de parentes e amigos.
Nós do "A Nova Cruzada" gostaríamos de destacar o radicalismo a que leva um preconceito irracional, e deixar como reflexão inspirado no relato acima o fato de diversas irmãs e irmãos muçulmanos de bem serem chamados não apenas nos países estrangeiros, mas no próprio Brasil de nomes esdrúxulos tais como: terrorista, Bin-Laden, homem-bomba e tantos outros. Registramos ainda a nossa idignação pela mídia brasileira que não se cansa em difamar o Islam e os muçulmanos, mas que se cala diante de algo tão grave. Cremos que fica claro onde de fato se encontra o terrorismo, e o risco desta ignorância em pleno século XXI onde a informação está disponível para quem desejar. Basta apenas buscar.

Estamos de luto pela morte de Marwa Sherbini e seu bebê.

3 comentários:

  1. Estou indignada com este ato tão brutal contra nossa irmã,lembra me o caso da atriz Daniela Peres,a mesma brutalidade se repete aqui.Espero que como lá não é o Brasil a justiça seja feita e que ele não use o método habeas corpus.A mídia claro,não divulga isso afinal os interesses e a manipulação ainda reinam,mais tenho fé há pessoas que estão buscando outros caminhos de informação.
    Fique com Allah Marwa Sherbini e seu bebê.

    ResponderExcluir
  2. Simplesmente animalesco, o que uma pessoa pode fazer contra uma mulher que se valoriza, usando seu hijjab, cobrindo-se como fizeram nossos antepassados, conforme prescrito na Torá e no Quran.
    A beleza da mulher semita questionada pelo ocidente, em sua imoralidade propagandeada, leva a um assassinato hediondo de uma mulher crente.

    Triste, condenável!!!

    rabino J. de Oliveira

    ResponderExcluir
  3. Que tribunal é esse que NÃO revista as pessoas antes delas entrarem, ainda mais ele, que era o processado e condenado em questão??????


    Horrorizada!

    ResponderExcluir