sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

O Presente Que se Anuncia

Vivemos hoje uma época em que muito se assemelha a do profeta - e, talvez um pouco pior -: guerras intermináveis, atrocidades de toda ordem, carência de lideranças idóneas, estadistas desacreditados, poder paralelo em franca ascensão (narcotráfico, narcoEstado, pirataria e afins ), a família desnuclearizada, e, pasmem, a própria vida do planeta e seus habitantes em risco !
Vivemos ainda uma carência de amor pelo conhecimento (informação não é conhecimento!), pelas ciências, pelo estudo, e óbvio, a inexistência de amor à religião.
Perdemos todo sentimento de orientação e é comum ouvirmos nos meios de comunicação que que "todo mundo tem seu preço", ou seja, uma clara e inequívoca manifestação de que todos fomos convertidos à corrupção, à ganância e ao caminho do inferno.
Entretanto caros leitores, no meu humilde entendimento, penso que reside aqui neste meio caminho do inferno um raio de esperança. A esperança desperta quando a mídia se mostra preocupada com o crescimento do Islã em escala mundial (1). A esperança escancara as portas quando veladamente ela, a mídia, diz que em breve nós muçulmanos seremos maioria no planeta.. Para desespero dos idólatras, politeístas, consumistas, materialistas, alcoólatras, viciados, enfermos da alma em geral, se tornou claro e evidente que hoje as comunidades islâmicas do mundo inteiro não perderam o contato de suas orientações com o Divino. Ao contrário das demais orientações religiosas, o lslã se encontra original, puro, imaculado no registro completo da vida e das Tradições do Profeta (que a paz de Deus esteja com ele) e da vida de seus Companheiros, chave de todo o conhecimento do Islã.
Irmãos muçulmanos reside aqui a grata tarefa que o Destino e o Islã nos reservaram, ou seja, dar a mensagem de fé e vida à humanidade desorientada. E é claro, esta é a mesmíssima mensagem que nos foi transmitida há mais de 1400 anos: uma mensagem simples, objetiva, reta; o maior prêmio que jamais qualquer um pensou em dar e/ou receber. Essa mesma mensagem que serviu tanto ao beduíno Khalid como ao rico Othman :
"Fé num Deus único, orações cinco vezes ao dia, jejum no mês do Ramadã, pagamento do Zakat, e a peregrinação à Meca para aqueles que tiverem condições de fazê-lo". Nos foi enviada por Deus para libertar aqueles que Lhe agradam do jugo de Seus escravos para a soberania D'Ele; e das limitações deste mundo para a amplidão ilimitada da outra vida; e da opressão das outras religiões para a equidade do Islã.
Irmãos muçulmanos, a tarefa que nos aguarda, que nos foi colocada nestes tempos de infortúnio e escárnio é a da LIDERANÇA. A liderança não é uma tarefa simples nem fácil. Ela nos exige uma fé imensa, determinação, trabalho (muito trabalho!), dedicação, sacrfícios... A liderança nos cobrará principalmente o protótipo, o exemplo do justo, do certo do reto, do magnânimo, não como virtudes, mas como o mínimo, o básico, o elixir da condição humana que se pauta na palavra e no exemplo divinos.
Cabe aos muçulmanos destes tempos recuperar a auto-estima e propiciar uma base intelectual (política, social, religiosa, cultural, e até econômica) para fazer "re"nascer um povo auto confiante, confiável, autônomo e alheio e independente do ocidente consumista, materialista, individualista... E sejamos sensatos, não há prática quer religiosa, quer social, sem uma teoria prévia.
Cabe então às liderança muçulmanas formar e preparar um povo capaz de ALCORANIZAR e não "evangelizar", como querem alguns, o tempo que se anuncia... Não podemos mais nos curvar ao paganismo e ao materialismo ocidental e suas artimanhas seculares que seduziram o mundo. O Destino já traçou o caminho e o tapete está estendido. Faltam apenas o caminhar macio, eterno, reto mas firme, objetivo e lúcido.

1.http://www.youtube.com/watch?v=JWErYjdbOE0&feature=player_embedded .

Um comentário:

  1. Um convite para um entendimento, se possível: http://reinehr.org/historia-e-mitologia/religiao/a-ascensao-islamica-no-futuro-seremos-todos-muculmanos

    ResponderExcluir