domingo, 21 de março de 2010

“As mulheres Oprimidas no Islam”

Navegando pela net, como de costume, encontrei no youtube o vídeo "Submissão, as mulheres oprimidas no Islam" www.youtube.com/watch?v=h6zVuebYnfg . Mas um, entre tantos vídeos, feito com a única intenção de degradar o Islam.
O Vídeo deixa claro que a "atriz" (isto que aquela mulher é, uma atriz representando um papel) não é muçulmana ou de família muçulmana como afirma, e que foge às regras do Islam de todas as formas possíveis.
Alguns detalhes que fazem a farsa "gritante":

Corpo tatuado: O muçulmano não pode fazer tatuagens, os muçulmanos que têm tatuagens, as fizeram antes de serem muçulmanos.

O motivo das tatuagens: As tatuagens da "moça em questão" são textos do Alcorão. Há um respeito muito grande por parte dos muçulmanos ao que se refere aos "Livros Sagrados" em geral, especialmente o Alcorão. Um muçulmanos não pode sequer "tocar" o Alcorão se estiver impuro, e é proibido levar qualquer escritura sagrada ao banheiro, por exemplo. Como um muçulmano tatuaria trechos do Alcorão no próprio corpo, sabendo que ele fica impuro quando tem relações sexuais, por exemplo, e que estaria levando consigo textos sagrados toda vez que fosse ao banheiro?...

A nudez: Embora a moça "se diga" decentemente vestida, todo o seu corpo pode ser visto através de sua roupa extremamente transparente. A única coisa que ela fez questão de esconder foi o rosto, que é no Islam uma questão "cultural" e não religiosa, pois o Alcorão diz à mulher que mostre apenas o rosto, as mãos e os pés, cobrindo todo o resto, ou seja, a mulher não tem que cobrir o rosto, se ela o fez deve ter sido para preservar sua identidade, afinal, ela mente e distorce os fatos do início ao fim, teria que ser muito "cara de pau" para expor sua verdadeira face.

Sobre o vídeo em si:

A moça cita um texto do Alcorão, sobre a punição para os adulteros. A punição existe não só no Alcorão como também na Bíblia. A partir do momento que ela sabia que estava "adulterando", porque a "surpresa" ou "decepção" pela punição prevista? E até onde se sabe, a punição para adultério é "apedrejamento" e não chibatadas. Assista aos vídeos: www.youtube.com/watch?v=PXJpnuCumhU&feature=related / www.youtube.com/watch?v=ADGKpaVH4xY&NR=1 .

Voltando ao vídeo em questão, ela alega que seu pai impôs seu casamento. De acordo com o Islam, a mulher tem o direito de dizer se aceita ou não casar-se, portanto, se houvesse algum motivo para recusar seu pretendente, ela o teria feito. Se ela casou foi porque quis!

Ela sente repulsa pelo seu marido "Aziz", mas não sente o mesmo relação a "Rahman", com quem teve um relacionamento sendo casada. Ela chama isto de "amor", eu chamo isso de "safadeza", "deslealdade", "canalhice"... Se ela não ama o marido, deve divorciar-se dele, e se o amante a ama, deve casar-se com ela após o divórcio.

Ela diz que apanha do marido pelo menos uma vez por semana, que a vida dela com o marido é muito difícil e que ela se guarda na ausência do marido, que só sai com a permissão do pai, e que o tio, Hakim, a estupra. Vejamos: De acordo com o relato da moça, ela "se guarda" é nos braços do tal de Rahman, o que justifica a dificuldade na convivência. Quem gosta de ser traído? Se ela só sai com a permissão do pai, será que o pai da permissão para ela se encontrar com o amante? E quanto ao tio, ele a estupraou ela que se oferece? é mais fácil acreditar na honra do "tio", visto que ela deixa claranão ter nhenuma!

Nada justifica a violência do marido. O Islam não apóia a violência!Que fique bem claro aqui que a violêcia contra a mulher é extremamente intolerável, mas que acontece em todo o mundo, não sendo uma "exclusividade do Islam", ao contrário: Todo mundo enche a boca para falar das agressões sofridas pelas muçulmanas, das agressões sofridas pelas cristãs, por exemplo ninguém fala! Assista www.youtube.com/watch?v=7uQN0qoVzbw&feature=related . As mulheres deste vídeo, por exemplo, não são muçulmanas!


As mulheres no Islam, ao contrário do que todos gostam de pensar por ignorância ou conveniência, não são submissas, oprimidas ou inferiorizadas. As mulheres no Islam têm direitos que só foram adquiridos pelas outras mulhereshá bem pouco tempo.
Ao contrário do que se pensa:
  • A mulher não se casa contra a vontade, obrigada pelos pais. Ela tem direito de recusar seus pretendentes e tem direto ao divórcio.
  • O marido não toma decisões sem a participação da esposa, os dois têm que estar de acordo.

A mulher tem o direito de estudar e trabalhar, e o fruto do seu trabalho é exclusivamente para o seu uso, cabendo ao homem o dever de sudpri-la em todas as suas necessidades, mesmo que ela tenha condições de fazê-lo.

A mulher pode ir à praia, passear ou viajar e conhecer lugares e pessoas, isso não é pecado e ela não é prisioneira da sua família!

O uso do "hijab" (véu) é um dever da mulher muçulmana, mas acima de tudo é um direito dela. ***O uso do véutambém é imposto pela "Torah" e pela "Bíblia", só não é respeitado ***.

Para finalizar, esclareço que NÃO HÁ"mulheres oprimidas no Islam!!!". Há um grande interesse em deturpar a imagem dos muçulmanos para tentar impedir o crescimento do Islam, que é inevitável, pois já é a religião com maior numero de adeptos no mundo!

Assista:www.youtube.com/watch?v=51UxBWnn3Nk&NR=1 / www.youtube.com/watch?v=LeR_twNK2h0ature=related .

Para pensar:

Se o Islam fosse ruim e desvaliruzasse, oprimisse, subjugasse as mulheres, por que, a cada dia mais e mais mulheres se tornariam muçulmanas?

2 comentários:

  1. Muito bom este post!
    Apesar de eu não ser muçulmano ( não sigo nenhuma religião, mas creio em Deus) respeito e considero muito esta religião!
    Vocês são coerentes, e seguem como deve ser seguido. Maus seguidores existem em qualquer religião, a mídia que é tendenciosa ao Cristianismo, escondendo suas falhas.
    Este blog é bem explicativo, e já li alguns posts, muito bom blog!

    Higor

    ResponderExcluir