quinta-feira, 8 de abril de 2010

Quem é Allah?

Ao contrário do que alguns pseudo-religiosos cristãos de linha pentecostal querem fazer crer, Allah não é um deus particular dos muçulmanos e nem mesmo um suposto deus da lua. Aos que afirmam tais sandices carecem claramente deconhecimento, porém estão chafurdados em má fé. O suposto deus da lua a quem os idólatras adoravam no período pré-islâmico em Maka era chamado de Alat. Porém Allah é o Deus único e não pode ser comparado a qualquer outra divindade, até mesmo porque não existe divindade exceto Ele.

O nome Allah quer dizer literalmente "O Deus", e por isso não pode ser flexionado como "deusa", "deuses". Por isso um brasileiro ou um português mesmo falando português prefere se referir a Ele como Allah.

A designação Allah ao contrário do que muitos pensam não é utilizada apenas por muçulmanos. Um judeu, um cristão (mesmo pentecostal) que fale árabe ao se referir a Deus dirá naturalmente "Allah".

Este nome tem origem semítica e é comum inclusive com a língua hebraica e provém da raíz "Eloh", que em sua forma majestática se tornará em hebraico por exemplo "Elohim". Logo Allah é o mesmo Deus bíblico adorado por todos os profetas, desde Adão, passando por Abraão, Moisés, Jesus e Finalmente Muhammad (Que a paz de Deus esteja com todos eles).
O Sagrado Alcorão se refere a Allah na Sura (capítulo) do Monoteísmo Puro (Ikhlas) do seguinde modo:
"Ele é Allah, Único. Allah é o solicitado. Não gerou e não foi gerado. E não há ninguém igual a Ele".
Já na Sura de Abertura do Sagrado Alcorão (Al Fatihah), que é repetida diversas vezes pelos muçulmanos lê-se:
"Em Nome de Deus, O Clemente, O Misericordioso. Louvor a Allah, o Senhor dos Mundos. O Clemente, O Misericordioso. O Soberano do Dia do Juízo! Só a Ti adoramos e só a Ti imploramos ajuda. Guia-nos à senda reta, á senda dos que agraciaste; não a dos incursos em Tua ira nem à dos descaminhados".
Cremos que desta forma contribuímos para que nossos leitores não caiam nos embustes de tais lobos em peles de cordeiro.

3 comentários:

  1. Salam. Muito bom texto. Claro, direto, coeso... JazakAllah

    ResponderExcluir
  2. O mito de Alá
    Outro componente estranho dessa questão é o uso da palavra "Alá". Recentemente, ouvimos um missionário evangélico falar sobre o movimento "Alá-leuia", em que os missionários estão usando a palavra árabe "Alá" para proclamar o Evangelho. Alguns chegam ao cúmulo de entrar nas mesquitas e ficar na posição de oração (rakat), mas orando a Jesus em pensamento. Alá, concluem eles, é só o nome árabe de Deus. Adonai e Alá seriam o mesmo Deus.
    Mesmo correndo o risco de ofender mais alguns leitores, quero deixar uma coisa registrada: Alá não é o nome árabe de "Deus". Alá é um ídolo.
    Em todos os debates de que participamos em universidades e entre colegas, meu irmão e eu nunca encontramos um ulema muçulmano que acredite que o Alá do Corão e o Deus da Bíblia sejam o mesmo Deus. Nunca. Se o monoteísmo é o único critério para distinguir a verdade neste caso, então deixe-me dizer uma coisa: se Alá é o mesmo deus que o Deus vivo, então Elias deve desculpas aos profetas de Baal (que também eram monoteístas).
    Então, por que usar essa palavra? Perguntei a um árabe cristão por que ele continuava usando o termo "Alá" quando orava, e ele me respondeu baixinho: "Eu não consigo me convencer a usar os nomes hebraicos, sabe?"
    Sim. Eu sei. Infelizmente, eu sei.
    Estou ciente das implicações deste artigo. Eu as aceito. Numa única crítica dura, de poucas páginas, ataquei a teologia da substituição, a escatologia puritana, os teólogos modernos e denominações inteiras. Entretanto, meus vinte anos de silêncio acabaram. Nosso segredinho terrível foi revelado.
    Emir e eu continuaremos do lado de Israel no conflito contra nossos parentes segundo a carne. Continuaremos contestando a teologia da substituição sempre que necessário.
    Também continuaremos a defender Israel como nação escolhida por Deus, porque Ele nos manda fazer isso no Antigo e no Novo Testamento. Os judeus precisam aceitar Jesus como o Messias, isto é certo. Mas eles também precisam que a comunidade cristã – a Igreja – fique ao lado deles num mundo que quer a sua destruição. Isso começa agora. (Israel My Glory - Ergun Caner -http://www.beth-shalom.com.br)
    O Dr. Ergun Mehmet Caner é professor de Teologia e História da Igreja na Liberty University, em Lynchburg, Virginia (EUA).
    Veja na íntegra acessando o link:
    http://www.beth-shalom.com.br/artigos/doloroso.html

    Yahweh não é Alá


    “Orai pela paz de Jerusalém! Sejam prósperos os que te amam” (Sl 122.6).


    Já documentamos em outras oportunidades que o Deus da Bíblia (Yahweh, Javé) e o Alá do Corão não são o mesmo. Yahweh refere-se a si mesmo 12 vezes como “o Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó”. Por um número impressionante de vezes, 203 em 201 versículos (de Êxodo 5.1 até Lucas 1.68), Ele é chamado de “Deus de Israel”, mas nunca de “Deus de Ismael”.
    Em contraste, o islã e Alá expressam seu ódio por Israel e por todos os judeus. Apenas esse fato já seria suficiente para distinguir Alá de Yahweh. O Corão e a tradição islâmica citada no hadith repetidamente vilificam os judeus:
    “...judeus... destinamos... [a] ...eles um castigo doloroso” (Sura 4.160-161); Alá “os amaldiçoou por sua descrença” (4.46). “que Deus os combata” (9.30) “Estão condenados ao aviltamento onde quer que se encontrem...” (3.112); “A ressurreição dos mortos não ocorrerá até que os muçulmanos guerreiem contra os judeus e os matem; as árvores e as rochas dirão: ó muçulmano... há um judeu atrás de mim, venha e o mate”
    Veja na íntegra acessando o link:
    http://www.beth-shalom.com.br/artigos/desafiando_deus.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Senhor
      Salam Aleikum
      (Que a paz esteja contigo)

      Precisou de debates com ulemás? E a propósito, quais foram os Ulemás que participaram do debate?
      Com relação a debates e discussões economizamos mais tempo quando vamos às fontes claras. Sim amigo, desculpe seu desconhecimento de árabe, mas Allah é sim a palavra árabe para Deus. Basta que compare como fizemos.
      No link que colocarei abaixo se consultar na internet verá no site da Bíblia on-line, a Bíblia em Português-Árabe, e depois no site o Sagrado Alcorão em Português-Árabe. Ambos estão com a palavra Allah, ou seja "Deus", marcado. O que mais se tem a dizer? O Islam é a verdade, e contra fatos não há argumentos. O Islam é irrefutável.
      Quanto a orar pela paz em Jerualém, o fazemos diariamente, porém só haverá paz quando o arbitrário Estado de Israel sumir do mapa, devolvendo à terra aos seus donos de direito: os Palestinos. Enquanto o governo sionista de Israel Existir não haverá paz.
      Eis o link comparando o nome de Allah na Bíblia e no Alcorão: http://www.flickr.com/photos/omarbinibrahim/6791533578/
      Agora quanto a paz em Israel: Não haverá paz enquanto um Estado Sionista, que se diz judeu continuar a fazer o que pode ser visto no vídeo abaixo. Ou o senhor acha que um Estado judeu mandaria invadir sinagogas, quebrá-las e espancar rabinos? Eis o link:http://www.youtube.com/watch?v=JU92lAsw3UU

      Bem, espero ter esclarecido.
      Recomendo que o senhor estude mais, pois o Profeta Muhammad (Que as bençãos e a paz de Deus estejam com ele) nos aconselhou: "Buscar o conhecimento é obrigação de todo muçulmano." Recomendo que faça o mesmo.

      Ma Salam

      Excluir