segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Rio de Janeiro: Guerra "Para Inglês Ver"...

Cidade de Maka na Arábia Saudita
Nós muçulmanos ao nos identificarmos como tal no Brasil, costumamos ouvir diversas vezes insinuações de que somos terroristas e coisas do gênero. Mesmo de pessoas pretensamente cultas. Após este primeiro instante nos perguntam de que país viemos. E ao ouvirem que em nosso caso somos do Brasil e nascemos na cidade e no estado do Rio de Janeiro a decepção é quase evidente. Porém não conformados querem saber se nos naturalizamos brasileiros ou se somos filhos de árabes e etc. Quando recebem uma negativa para cada uma de suas questões então vem a pergunta: "Mas vocês pretendem ir para lá?" Então procuramos saber onde seria "lá", ao que não sabem responder. Dizemos que o único local onde o muçulmano deve ir uma vez na vida se tiver condições financeiras e de saúde, é a cidade de Maka na Arábia Saudita. Então a oportunidade não é perdida, e previsivelmente segue uma outra frase quase que padrão: "Deus me livre! Eu nunca iria lá, vai que cai uma bomba na minha cabeça ou uma bala perdida me pega". Ficamos então pensando que este "lá" deve ser realmente bem violento, mas a questão chave é: onde é "lá"? Estas pessoas desconhecem que não há conflitos bélicos na Arábia Saudita, e que Palestina, Afeganistão e Iraque não são nomes dados para quarteirões que ficam lado a lado, mas de países. Então alguém na Arábia Saudita ser atingido por uma bomba ou um tiro quem venha da Palestina, é tão possível como sermos atingidos em São Paulo por um tiro disparado na Venezuela.
Seja como for, acabamos explicando que não precisam sair de seu país e mesmo de seu estado para conhecerem a violência de uma guerra e o terrorismo, basta andar pelas ruas do Rio de Janeiro para vivenciar os terroristas que, diga-se de passagem, não são muçulmanos. Onde então está a ligação do terror com o Islam?
Blindados invadem Complexo do Alemão no Rio
Esta semana tivemos no Rio de Janeiro uma verdadeira atuação do estado, digna de produções de Hollywood: tanques de guerra e blindados circulando pelas ruas, centenas de policiais e soldados das forças armadas juntos, tudo isso para acabar com o crime na "Cidade Maravilhosa", que de maravilhosa hoje só possui o título e as paisagens. Mas... acabar com o crime? A quem o Sr. Sérgio Cabral, Governador do Estado do Rio de Janeiro pensa enganar? Se era tão fácil assim acabar com o crime, porque não o fez em seu primeiro mandato? Para ter novas promessas para assim usá-las de trampolim para a sua reeleição. E se realiza tais promessas hoje não é porque seja um bom governante, mas para não perder a sua posição (prestígio) e os recursos financeiros que serão injetados no Rio devido às Olimpíadas e a Copa do Mundo. Durante os jogos Pan-Americanos a segurança no Rio foi total. Por que voltou ao colapso que encontramos hoje então? Por pura omissão e falta de vontade do mesmo. Basta ver alguma das aberrações de seu governo no blog do Ricardo Gama.
Quem viu os filmes "Tropa de Elite" e "Tropa de Elite 2" pôde constatar como a corrupção que ocorre nos órgãos públicos; da mais alta esfera à mais baixa se prolifera pelo Brasil como uma metástase.
Em um Estado Islâmico (e lembramos que não há nenhum em todo o mundo na atualidade) tal coisa não ocorre, até mesmo devido a severidade da pena aplicada, mesmo para o governante, pois não existe foro privilegiado, imunidade parlamentar e nada do gênero.
Gostaríamos de deixar aqui uma reflexão: O tráfico realmente acabou no Rio de Janeiro realmente acabou? Porque os traficantes foram presos, mas os seus chefes estão sentados em suas cadeiras nas câmaras de vereadores, deputados e no Senado. Haverá nestes locais uma invasão igual? Pense nisso...

2 comentários:

  1. assalamu alaleikum.

    Querido irmão concordo em quase tudo sobre a corrupção já institucionalizada em nosso pais, mais existe sim em alguns paises arábes coisas horrendas relativas a politica e aplicação das leis, quando o principe saudita NAIEF BIN FAWAZ AL CHAALAN foi condenado pela frança, mais não nem sequer foi preso na Arabia Saudita, que muito é conhecida pelo rigor das leis(que existe para os pobres irmãos que são pessoas comuns)é uma pena isto acontecer, um abraço fraternal querido irmão Omar e Familia.

    ResponderExcluir
  2. Aleikum Asalam

    Caro leitor

    Você disse: "... mas existe sim em alguns países árabes coisas horrendas relativas a política e aplicação das leis", e logo depois você cita a Arábia Saudita.
    Talvez o amigo não tenha reparado, mas quando me refiro ao Estado Islâmico, digo que não há nenhum país no mundo atualmente que possa se gabar de ser este Estado. Arábia Saudita, Egito, Marrocos, Afeganistão, Iraque e tantos outros podem ser países árabes, mas não são Estados Islâmicos. O fato de termos muitos muçulmanos nestes locais não faz do país um Estado Islâmico. Ele passa a ser apenas quando é regido integralmente pela Shariah (a jurisprudência islâmica). Da mesma forma a Itália não pode ser rotulada como um país católico, porque seu governo opta pela laicidade. No entanto o Vaticano, este sim é um país católico, porque o seu governo o é.
    Espero ter respondido. Se não, fique a vontade para questionar.
    Ma Salam,

    Omar

    ResponderExcluir