segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

A Reprise do "Suplício"...


Começa hoje a reprise do grande sucesso global, a novela "O Clone". Que foi capaz de distorcer tanto a "Cultura Árabe" quanto a "Cultura Islâmica", que estão longe de ser a mesma coisa!!!

A escritora, Glória Peres, e parte do elenco, tiveram acesso às informações necessárias para construir uma imagem correta sobre o Islam e sobre os muçulmanos, mas Glória Peres fez questão de distorcer tudo que aprendeu com a comunidade muçulmana e escreveu este "suplício" que é "O Clone"...

A novela é uma gama de equívocos...

Dança do Ventre faz parte da "Cultura Árabe, não da "Cultura Islâmica"... Mulher muçulmana não sai por aí dançando a torto e a direito... A sensualidade da mulher muçulmana é reservada ao seu marido e não exposta como a novela
mostra...

Materialista e fútil... Esta é a idéia que se tem da mulher muçulmana na novela, pois elas só parecem se importar com roupas caras, bonitas, muito luxo e "muito ouro"... A mulher muçulmana, como qualquer outra, gosta de se cuidar e se vestir bem, gosta de ornamentos (que não podem ser exibidos em público), mas nada que as tornem superficiais como a novela faz questão de mostrar...

A mulher muçulmana só pode expor suas mãos, pés e o rosto. Portanto, as roupas que as mulheres usam na novela não tem nada haver com as roupas que as muçulmanas "corretas" usam em seu dia-a-dia...

Enfim, a novela é toda uma lástima!...
Infelizmente teremos o desprazer de sermos incomodados nas ruas com as piadinhas sem sentido criadas graças a irresponsabilidade da autora, que não tem noção de como ela consegue destruir a imagem de culturas e nações na sua ânsia de "popularidade" e "fama"... O mesmo aconteceu em "Caminho das Índias"... E até hoje ainda penamos com os "hare baba" que ouvimos nas ruas... Tanto ela fez que para a maioria das pessoas a capital da Índia é Dubai!... Vá distorcer assim lá na Globo, hein, Glória Peres!...

Sofrimentos a parte, fazer o que?... É a Globo!... Distorcendo, desenformando, "emburrecendo o público"... E o povo gosta!...

5 comentários:

  1. Es-Selam Aleikum

    Como dessa vez a novela está sendo exibida a tarde, e numa versão censurando as cenas mais indecorosas (só por causa do horário), não acredito que a reprise vá causar os mesmos transtornos da exibição original. E no fim, como acontece com tantas obras de origem anti-islâmicas, acabam involuntariamente se transformando em veículo de dawah (a exemplo daquele vídeo sobre a demografia muçulmana no ocidente, feito por uma igreja). Acho que todo mundo conhece ao menos uma pessoa que conheceu o Islam através dessa novelinha tosca.

    ResponderExcluir
  2. Adorava esta novela. na reprise então nem se fala
    não perdia um capitulo. saudades já de Jade e Said. tantos personagens que deixaram saudade

    ResponderExcluir
  3. Eu dei graças a Deus que acabou, pois nunca vi alguém ter um dom tão grande para deturpar uma religião e uma tradição com a Glória Peres. Costumo dizer que ela está para as novelas como Paulo Coelho está para a literatura.
    Graças a ela as pessoas ainda acham que Dubai é capital da Índia, por causa do Caminho das Índias. Ela coloca dança do ventre que é típica do Egito como se fosse a coisa mais comum no Marrocos, e como se fosse também comum mulheres dançando dança do ventre com roupas sensuais no meio de uma família muçulmana. Enfim... lamentável...

    ResponderExcluir
  4. Não é tão lamentável assim, desde o momento que a novela foi responsável pela "reversão" de muitas pessoas curiosas :) No mais, ela foi bem acessorada, segundo matéria publicada na Folha de S. Paulo onde lê- se: Glória Perez afirma que está se cercando de todos os cuidados para retratar o universo muçulmano, dividido em ramos como os sunitas e os xiitas.
    "Só quero mostrar as convergências entre eles. Nada que faça diferença entre essas linhas do islamismo vai ser mencionado. Vamos mostrar os costumes comuns a todos", diz.
    A autora tem consultoria permanente de representantes muçulmanos, como o xeque Jihad Hassan Hammadeh, de São Bernardo do Campo (SP), da Assembléia Internacional dos Estudantes Muçulmanos, e Abdelbagi Sidahmed Osman, presidente da Sociedade Beneficente Muçulmana do Rio de Janeiro e representante da Liga Islâmica Mundial, no Rio. Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/tvfolha/tv0107200116.htm

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Salam Alaykum!

      Justamente!
      NÃO PRECISAMOS DE "CURIOSOS"!... Buscamos os que buscam a Deus!... Os "curiosos" devem pesquisar e não "mergulhar de cabeça" em algo que não compreendem só para"ficarem na moda", o que é incoerente e ridículo!

      Justamente!
      Ela (Glória Perez) foi muito bem assessorada!... O que nos deixa ainda mais revoltados com "o que ela fez dessa assessoria" deturpando TUDO que lhe foi passado!...
      Para quem queria mostrar "convergências" ela fez um "festival de divergências", pois os costumes não eram nada comuns! E os xiitas não são reconhecidos como representantes do Islam por deturparem vários assuntos (que dariam várias matérias por se tratar de um assunto muito extenso!), portanto, não podemos usar "costumes dos xiitas" colocando-os como costumes islâmicos.

      Ela teve tudo para fazer um trabalho primoroso, mas prezou pela "popularidade" da obra, fazendo um "carnaval" com tudo que lhe foi passado...

      Um exemplo da pobreza do trabalho da Glória Perez foi mostrar "dança do ventre" (tipicamente egípcia)como se fosse extremamente popular no Marrocos... POBRE!...

      Ma Salam.

      Excluir