terça-feira, 22 de março de 2011

Obama, Por Que Não Te Calas?

Não, não. Não estamos enganados. Sabemos que esta frase foi dita em espanhol pelo rei da Espanha ao ditador Venezuelano Hugo Chaves. Mas ela bem poderia ser aplicada ao presidente americano Barack Obama, que esteve no Brasil neste último final de semana, e que reuniu um esquema de segurança até mesmo maior que o do Papa.
Com sua mania de perseguição Obama trocou horários, cancelou locais e compromissos e etc. Coisa de quem sabe que não é mais tão popular assim. Exemplo claro disso foi o alarde sobre o discurso que o presidente norte americano faria na Cinelândia, Uma espécie de grande praça no Centro do Rio de Janeiro que serviu par diversas manifestações políticas populares. Este seria o seu "discurso ao povo", Mas de repente esse "povo" ficou reduzido a uma minoria de 2.000 pessoas convidadas por autoridades como o Governador do estado e o Prefeito da cidade do Rio. E qual a desculpa para esta mudança? Segurança...
E enquanto Obama passava pelas ruas, ambos os sentidos eram fechados, o que não se fez sequer quando Lula, o presidente do Brasil passou por algum lugar. E Ah! Quem pode esquecer da fragata da Marinha parada no mar em frente ao Hotel Marriott para manter a segurança do paranóico Obama? O que seria feito se alguém o atacasse? A fragata atiraria em direção ao hotel com seus canhões?
No discurso do Teatro Municipal Obama falou de estreitar os vínculos entre Brasil e E.U.A., e para criar um ar de identificação com o país, citou uma infinidade de pontos pesquisados obviamente por seus assessores, como por exemplo a música de Jorge Ben Jor e o escritor Paulo Coelho, membro da Academia Brasileira de Letras. Tal discurso nos remeteu aquele feito por Barack Obama feito para os muçulmanos na Universidade do Cairo em que nada foi cumprido. Afinal quem não se recorda de nossa matéria escrita aqui neste blog: "Nobel da Paz Envia 30.000 soldados Para a Guerra"?
Nesta aproximação do Brasil com os E.U.A. proposta por Obama, será que está contida a abertura das fronteiras americanas para que os brasileiros entrem livremente em seu país assim como os americanos entram no nosso? Obviamente que não. Mas isso é só um detalhe. Como é um detalhe o fato de no momento em que Obama estava discursando, caças americanos bombardeavam a Líbia matando civis inocentes como mulheres e crianças, ao invés do ditador Muamar Kadafi. E ele ainda fala em democracia.
Ficamos nos perguntando porque ele não falou de Guantânamo, Iraque, Afeganistão, Líbia e do comandante do exército americano que apenas pediu desculpas por seus subordinados ter matado afegãos por pura diversão.
E a Cidade de Deus, no Rio de Janeiro que parece que foi esquecida pelos homens, em especial o Prefeito e o Governador? As ruas foram limpas e calçadas pintadas, áreas de lazer reformadas apenas porque o Sr. Obama vinha visitá-la. Mas e os seus moradores, que pagam impostos caríssimos diariamente para ter uma qualidade de vida melhor, não têm direito a local digno para morar?
É... depois de tudo isso o tão carismático, mas não menos farsante presidente Barack Obama ainda diz que somos exemplo de democracia. Talvez porque concorde com a política sanguessuga do Brasil, afinal, o que ele faz de diferente?
Sinceramente leitor, nos falta estômago para tanta hipocrisia. E o E.U.A. é o modelo de país proposto a nós? Não, muito obrigado.


6 comentários:

  1. E qual o modelo vc propõe w por acaso, IRÃ, ARABIA SAUDITA ou CUBA, CORÉIA DO NORTE. Sei que nem n´s e tambpuco os EUA possuem um sistema político perfeito. Mas dentre todos não é o melhor? Quando fiz ciências políticas na federal eu tambem ODiava os americanos. Aliás, o Lulla também confessou seu ódio e até boicote a produtos de lá, até que descobriu os pederes de uma coca cola nas madrugadas da vida, heheheeh...
    Mas esses discursos de intolerancia aos países ocidentais, principalmente AUA JÁ DEU!

    ResponderExcluir
  2. Sugiro assim como todo muçulmano o sistema de Califado que é característico do Islam, e que já se mostrou eficiente na Arábia Saudita na época do Profeta Muhammad (S.A.A.S.) e na Espanha na Andaluzia. Seu sistema continua sendo ainda hoje tão atual e moderno como era para sua época. Para que se esclareça mais sugiro que leia: http://www.califadouniversal.blogspot.com/ e também o livro "O Estado Islâmico e Sua Organização" de Sami Armed Isbelle.

    ResponderExcluir
  3. Se o califado fosse realmente bom o império Otomano não teria ruído durante a I Guerra Mundial.

    Tomara Deus que o Brasil nunca seja um estado islâmico, senão eu vou ter que pagar uma taxa por ser cristão e ainda corro o risco de morrer se rezar uma "Ave Maria" diante de alguma imagem de Nossa Senhora acusado de idolatria e blasfêmia. Se o Brasil fosse um estado islâmico NÃO existiria liberdade religiosa!

    A Europa hoje é prospera com sua herança cristã muito diferente das nações de maioria muçulmana que de lá pra cá só ruiram e mergulharam na pobreza.

    ResponderExcluir
  4. Caro Leitor Raphael
    Salam Aleikum
    (Que a paz esteja convosco)

    Não sei até onde vai o seu conhecimento histórico e geográfico, mas onde fica a Espanha e Portugal? Não seria na Europa? Um estudo não muito profundo mostrará as grandes contribuições trazidas pelos muçulmanos a estas terras. Veja por exemplo que o próprio estilo gótico das catedrais foi de influência islâmica. Os cristãos daquela época sequer tinham conhecimento de diversos hábitos de higienização, e muitos morriam por isso. Vá a uma sede da Biblioteca do seu Estado ou então na Biblioteca Nacional e procure mais sobre isso. Quanto a Filmes, isso pode ser por exemplo averiguado no filme: Soldado de Deus, onde um cavaleiros cristão e um cavaleiro muçulmano se tornam amigos (o que ao contrário do que se pensa era bem comum naquela época, em especial entre os Cavaleiros Templários e os de Salahudin). Bem, neste filme mostra claramente que os cristãos nem mesmo conheciam o uso de sabão nesta época.
    Não precisamos ir muito longe: o sistema numérico que utilizamos hoje em dia são algarismo arábicos. Os muçulmanos também sempre foram bem conhecidos desde tempos remotos aos atuais pela sua excelente memória. Não é a toa que mesmo crianças têm de cor o Sagrado Alcorão e os Ditos do Profeta Muhammad, que longe do que se pensa, não são obrigadas a aprender, mas o fazem com gosto. Muitos Shuyukh, e posso dizer que inclusive o de minha mesquita são Hafiz (ou seja, têm todo o Alcorão de cor).
    Se isso ainda não fosse suficiente, a Algebra foi criada por um muçulmano para calcular o Zakat e as heranças.
    Quanto a Jizia, que é a taxa que você diz que teria que pagar, diversos povos na história que viviam sob um governo islâmico, preferiam pagar esta taxa que os impostos absurdos que o seu governo cristão lhes impunha.
    Enfim, nunca é tarde para se aprender mais. Por isso lhe indico alguns links e literaturas para que possamos então abordar o assunto com mais consistência:
    Livro: O Estado Islâmico e Sua Organização, de Sami Armed Isbelle.
    Os livros na Biblioteca deste blog que podem ser baixados gratuitamente e que se encontram sob o Título: A Contribuição Islâmica Para a Humanidade.
    Envio também o link do site da Sociedade Beneficente Muçulmana do Rio de Janeiro - SBMRJ onde pode ser encontrado um artigo sobre o período do Califado na Espanha (EUROPA, lembra?): http://www.sbmrj.org.br/Historia-andaluzia.htm
    Bom estudo, e espero que seja de grande proveito.
    Qualquer dúvida ponho-me a disposição para maiores esclarecimentos.

    Ma Salam,

    Omar

    ResponderExcluir
  5. É verdade! Meu professor disse que o brasileiro herdou esse gosto pelo banho dos árabes!

    E a peste negra que assolou a Europa não é mera coincidência = falta de saneamento básico + fome + baixa resistência = peste negra!

    E na época do auge do Cristianismo na Europa, tudo era coisa do demo! Era mais fácil você estudar sobre arte em Bagdá do que em Paris!

    Lembrando que o problema não é o Cristianismo ou o Islã, são as pessoas!

    ResponderExcluir
  6. Chavez ditador?? Isso é clichê da imprensa que chama islâmico de terrorista e Israel de democracia.

    ResponderExcluir