quarta-feira, 8 de junho de 2011

FIFA - Federação Islamofóbica de Futebol e Arbitrariedades

Depois da proibição da França de que as mulheres utilizassem o hijab (véu islâmico) e o nikab (espécie de véu que é utilizado em conjunto com o hijab, porém sobre a face) em repartições públicas, mesmo que cada freira pudesse continuar a usar o seu véu e o judeu o seu kipa, mesmo após a proibição da Suíça de que as mesquitas construissem minaretes (o que diga-se de passagem é característico na arquitetura islâmica), após o discurso do presidente americano Barack Hussein Obama no dia 19 do mês passado apoiando o arbitrário pseudo-Estado de Israel contra os palestinos, agora chegou a vez de mais uma organização internacional partir para a adoção da islamofobia: A FIFA.
Já envolvida em tantos outros escândalos a FIFA (Fédération Internationale de Football Association), a principal federação de futebol reconhecida internacionalmente proibiu na semana passada a Seleção Iraniana Feminina de Futebol  de jogar contra a Jordânia em uma competição classificatória para os jogos olímpicos que ocorrerão em Londres no ano de 2012. O motivo da proibição? Suas vestimentas.
Seleção Iraniana Feminina de Futebol
As jogadoras utilizam o hijab, camisas de manga longa e calças compridas. Nada que possa alterar seu desempenho em jogo.
Tal decisão porém foi considerada arbitrária pela Federação Iranina de Futebol pois a seleção já tinha jogado anteriormente com tal traje com a permissão da própria FIFA. Além do mais a alegação da FIFA de que os trajes não podem conter qualquer mensagem política, comercial ou religiosa em nenhum momento foi desrespeitada. Quem desrepeita não apenas o direito do país mas também às mulheres é a própria organização desportiva, que cá entre nós não tem servido de exemplo para nada.
Enfim, este é mais um capítulo da velha e longa novela da islamofobia promovida pelo sionismo no mundo.

2 comentários:

  1. A ignorância é uma das coisas que realmente me irrita , a FIFA deveria servir de exemplo para o mundo , no entanto o que demonstra é algo bem diferente e que compromete os direitos dos cidadãos de ir e vir , neste caso o direito aos jogos olímpicos que deveria ser motivo de união.....

    ResponderExcluir
  2. Sem comentários. Reclamam que a mulher muçulmana é oprimida, com sua liberdade e direitos espoliados... Mas quando se deparam com muçulmanas que levam uma vida normal, se assustam ou alegam que elas que devem se aculturar!

    Religião é uma coisa e cultura é outra!

    A FIFA, que se mostra tão politicamente correta, com campanhas anti-racismo e anti-preconceito, humilharam as atletas iranianas dessa maneira.

    Alguém prova que o hijab e as roupas folgadas atrapalham o desempenho delas? E outra: estão mais que acostumadas. Se o uniforme for feito com tecidos modernos e adequados, por que impedir?????

    ResponderExcluir