domingo, 31 de julho de 2011

Como Esses Profetas: Abraão, Moisés, Jesus e Muhammad Oravam?

Sheikh Ahmad Deedat
Uma vez o Sheikh Ahmad Deedat, um grande sábio muçulmano, visitou Jedá, na Arábia Saudita, e narrou uma de suas experiências de vida.
Disse que uma vez levou um grupo de cristãos e judeus para visitar uma mesquita em Durban, África do Sul. Quando entraram na mesquita Deedat não só tirou seus sapatos, mas pediu ao grupo que também fizessem o mesmo. Todos tiraram seus sapatos também.
Então Deedat perguntou ao grupo se sabiam a razão de tirarem seus sapatos. Eles responderam: "Não." Deedat explicou que quando Moisés (A.S.) foi ao Monte Sinai Deus lhe falou: 

"E Deus disse: 'Não te aproximes daqui. Tira as sandálias dos teus pés, porque o lugar em que te encontras é uma terra santa.'" (Êxodo 3:5).

Enquanto o grupo sentava no banco e observava, Deedat pediu licença para realizar a ablução. Depois da ablução, novamente dirigiu ao grupo e explicou. Não só é altamente higiênico, já que é realizada 5 vezes ao dia, mas também tem uma referência histórica. Mais uma vez ele citou:

"Moisés, Aarão, e seus filhos lavaram aí as mãos e os pés. Quando entravam na tenda de reunião e se aproximavam do altar, faziam suas abluções, como o Senhor tinha ordenado a Moisés." (Êxodo 40:31-32).

Depois das orações obrigatórias Deedat se dirigiu novamente ao grupo, que agora estava ocupado observando outros muçulmanos realizarem suas orações não-obrigatórias. Explicou as várias posturas da oração, sendo que a mais intrigante era a prostração. Deedat disse, apontando para as prostrações, que era assim que todos os profetas oravam. Autenticou ainda mais sua afirmação e citou:

"Abrão prostrou-se com o rosto por terra. Deus disse-lhe..." (Gênesis 17:3).

"Abraão prostrou-se com o rosto por terra." (Gênesis 17:17).

"Moisés e Aarão deixaram a assembleia e dirigiram-se à entrada da tenda de reunião, onde se prostraram com a face por terra. Apareceu-lhes a glória do Senhor." (Números 20:6).

"Josué prostrou-se com o rosto por terra..."  (Josué 5:15).

Adiantou-se um pouco e, prostrando-se com a face por terra, assim rezou..." (Mateus 26:39).

Deedat disse ao grupo que eles conhecem muito bem as formas de adoração de cristãos e judeus, e que agora tinham observado também a forma como os muçulmanos adoravam.
Deedat educadamente perguntou ao grupo qual forma de adoração era mais cristã? O grupo de cristãos e judeus foi unânime em dizer: "Certamente a forma islâmica de adoração é mais cristã que as outras."
Muito cristãos que se reverteram ao Islam hoje testemunham que agora são mais "cristãos." A palavra "Cristão" significa simplesmente "um seguidor de Cristo." Então, como essas pessoas que são muçulmanas reivindicam serem os seguidores mais próximos de Jesus?
Pensemos sobre isso de forma lógica examinando o que a Bíblia diz de Jesus. Por exemplo, se lermos os evangelhos veremos os relatos de Jesus nos quais ele orou com seu rosto no chão, saudou seus companheiros crentes com expressões de paz e jejuou por períodos longos de tempo.
De fato, muitos ex-cristãos reconhecem que eram muçulmanos em todos os sentidos antes de descobrirem a conformação de suas crenças dentro do texto do Nobre Alcorão, revelado para o Profeta final, Muhammad (que a paz esteja sobre ele).

"Ó crentes, genuflecti, prostrai-vos adorai vosso Senhor e praticai o bem, para que prospereis." (O Nobre Alcorão 22:77).

A disposição da humanidade para o monoteísmo é inseparável da natureza humana. Hoje algumas pessoas que alegam seguir o caminho de Jesus, Abraão e Moisés (que a paz esteja sobre eles) se desviaram do caminho. E, no caso do Cristianismo, as pessoas equivocadamente criaram uma crença inteira sobre o Profeta Jesus e fizeram dele algo que ele nunca reivindicou ser.
Agora, pergunte-se honestamente: quem verdadeiramente segue o exemplo de Jesus hoje? Como você deve saber, os muçulmanos oram humildemente com sua testa tocando o chão ao menos cinco vezes ao dia.
Os muçulmanos seguem a religião de Jesus. A fé que ele preogou e praticou. Da mesma forma, os muçulmanos adoram O mesmo Deus que Jesus adorou. O mesmo Deus de Abraão, Moisés e Muhammad, que a paz esteja sobre eles.
Os muçulmanos também saúdam uns aos outros com a frase "Que a paz esteja com você" e, além disso, assim como Jesus jejuou por 40 dias no deserto, os muçulmanos jejuam por um mês inteiro durante o mês de Ramadan.

Ramadan Karim!

Extraído integralmente do folder da Islamic Invitation.


quinta-feira, 28 de julho de 2011

"Terrorismo Cristão"


Turbante, barbas longas, cabeleira... Talvez esta seja a imagem que você faça de um terrorista, seguindo os padrões “estabelecidos” pelos meios de comunicação sionistas que utilizam seu poder de formadores de opinião para deturpar as mentes das pessoas com preconceitos e mentiras, denegrindo o Islam e os muçulmanos.
Já diziam os antigos que “mentira tem perna curta”, ou seja, mais cedo ou mais tarde toda mentira é descoberta. Contamos com isso para que um dia a humanidade se liberte de todas as mentiras que lhes foram incutidas na mente desde sempre, com o intuito de lhes privar do seu direito básico de raciocinar.
Anders Behring Brejvik, 32 anos, aparentemente um moço bonito, gentil, bem educado... Inofensivo...
Anders Behring Brejvik foi o responsável pela morte de 76 pessoas em um atentado na Noruega.
O “cristão Radical Terrorista” em questão, o cidadão norueguês nascido em Oslo, Anders Behring Brejvik, um Fundamentalista Cristão, ligado Ordem dos Templários, à Extrema-Direita e à Maçonaria, Neoconservador e vocal Defensor do Estado de Israel, é o presumível autor de vários atentados. É acusado de ter entrado, disfarçado de agente da polícia, no acampamento de jovens do Partido Trabalhista (Arbeiderpartiet), na ilha de Utoya, abrindo fogo contra os presentes.Também lhe é atribuída, provisoriamente, a autoria do atentado usando bombas em combinação, ocorrido cerca de duas horas antes, em Oslo. Behring foi preso em Utoya, ficando sob custódia da polícia. Inimigo declarado do multiculturalismo e do Islam, O assassino de Oslo cita várias vezes o Brasil como exemplo do caos da miscigenação. Anders atribui a essa “promiscuidade racial”, as desigualdades e a corrupção.

A European Declaration of Independence — 2083, assinado por Anders Behring Brejvik, é um manifesto capaz de deturpar a razão de muitas pessoas desprovidas dos postulados básicos do Humanismo. Pode perverter os desavisados e, assim, a lógica histórica. Segundo o manifesto de Anders, todos os que são diferentes não pertencem à mesma natureza dele, logo, são inimigos que ele deve eliminar.
Ou seja: Os muçulmanos de hoje são os judeus, os ciganos, os eslavos e os comunistas de ontem. E os judeus de Tel Aviv (me refiro aqui aos sionistas e não aos judeus propriamente ditos) não são mais os que resistiram ao assalto ao Gueto de Varsóvia.
Você, cristão, deve estar agora muito ofendido por ter lido o termo “Cristão Radical Terrorista”... Agora você sabe como um muçulmano se sente ao ler este tipo de coisa todos os dias nos jornais, ao ouvir este tipo de comentário em programas de TV e esta imagem distorcida em filmes hollywoodianos!!!...
Nós, do A Nova Cruzada, só temos uma coisa a dizer a este respeito:
NENHUM “CRENTE” É “TERRORISTA”, POIS “TODO CRENTE”, INDEPENDENTE DE SUA RELIGIÃO, TEM TEMOR A DEUS E RESPEITA AS LEIS QUE DEUS NOS DEIXOU PARA SEGUIR!
Portanto, de hoje em diante, pensemos antes de dizer que o mau-feitor segue a esta ou àquela religião, pois se ele seguisse a Deus, não seria um mau-feitor!
SALAM ALAYKUM!

domingo, 24 de julho de 2011

Alcorão: O Livro da Misericórdia

Não muito raramente ouvimos  na mídia ou por meio de algumas pessoas em nosso dia-a-dia que o Sagrado Alcorão é um livro que fomenta a violência e o ódio, e que em nenhuma parte dele pode ser encontrada a palavra "Amor". Na maioria das vezes essas pessoas nunca leram o Alcorão. E então costumo perguntar o que elas entendem por amor, visto que o sentido desta palavra hoje dentro da sociedade ocidental por exemplo já está tão banalizado. E aproveitando o ensejo leitor, gostaria de lhe perguntar: O que é mais importante: falar sobre amor ou praticar o amor? Se as palavras exortam, mas os exemplos arrastam multidões, cremos que tudo deva partir primeiro da ação, do exemplo, para só então ser falado, pois de outra forma não haverá autoridade para se discursar a respeito, porque se assim fosse não passariam de palavras recheadas de hipocrisia.
Com o Sagrado Alcorão não é diferente. Allah fomenta a ação do amor e da misericórdia, sendo ele o próprio agente destes. Vejamos o que o Sagrado Alcorão nos revela quanto a isso: 
O Sagrado Alcorão possui 114 Suratas (ou capítulos), destas, 113 começam com a frase: "Em nome de Deus, O Clemente, O Misericordioso". Ora, só possui clemência e misericórdia aquele que tem amor.
Se isso ainda não fosse o suficiente, Allah repete diversas vezes esses atributos durante todo O Livro.
Podemos encontrar também as seguintes Ayat:

"Deus foi Quem fez a noite, para que repousásseis, e o dia, para (vos) ajudar a ver. Certamente Deus é Agraciante para com os humanos. Porém, a maioria deles não Lhe agradece. Tal é Deus, vosso Senhor, Criador de tudo.  Não há mais divindade além d'Ele. Como pois vos desviais? Assim se desviam aqueles que negam os versículos de Deus. Deus foi Quem fez a terra como berço, o céu como teto, modelou e aperfeiçoou as vossas configurações, e vos agraciou com todo o bem. Tal é Deus, vosso Senhor. Bendito seja Deus, Senhor do Universo! Ele é o vivente! Não há mais divindade , além d'Ele! Invocai-O, pois sinceramente! Louvado senha Deus, Senhor do Universo!" (40:61-35).

"Deus foi Quem vos submeteu o mar para que, com o seu beneplácito, o singrassem os navios e que procurásseis algo de Sua bondade, a fim de que Lhe agradecêsseis. E vos submeteu tudo quanto existe nos céus e na terra, pois tudo d'Ele emana. Em verdade, nisto há sinais para os que meditam." (42::12-13)

"Tudo quanto existe nos céus e na terra glorifica Deus, porque ele é o Poderoso, o Prudentíssimo. Seu é o reino dos céus e da terra; dá a vida e dá a morte, e é o Onipotente. ele é o Primeiro e o Último; o Visível e o Invisível, e é o Onisciente. Ele foi Quem criou os céus e a terra, em seis dias; então assumiu o trono. ele bem conhece o que penetra na terra e tudo quanto dela sai; o que desce do céu e tudo quanto a ele ascende, e está convosco onde quer que estejais, e bem vê tudo quanto fazeis. Seu é o reino dos céus e da terra, e a Deus retornarão todos os assuntos. Ele insere a noite no dia e o dia na noite, e é o Sabedor das intimidades dos corações."  (57:1-6)

"Ele é Quem envia água do céu, da qual bebeis, e mediante a qual brotam arbustos com que alimentais o gado. E com ela faz germinar a plantação, a oliveira, a tamareira, a videira, bem como toda sorte de frutos. Nisto há um sinal para os que refletem. E submeteu, para vós, a noite e o dia; o sol, a lua e as estrelas estão submetidas às Suas ordens. Nisto há sinais para os sensatos. Bem como em tudo quantos vos multiplicou na terra, de variadas cores. Certamente nisto há um sinal para os que meditam.E foi Ele Quem submeteu o mar para vós, o mar para que dele comêsseis carne fresca e retirásseis certos ornamentos com que vos enfeitais. Vede nele os navios sulcando as águas, à procura de algo de Sua graça; quiçá sejais agradecidos. E fixou na terra sólidas montanhas , para que ela não estremeça convosco, bem como rios, e caminhos pelos quais vos guiais . Assim como os marcos, constituindo-se das estrelas, pelas quais (os homens) se guiam. Poder-se-á comparar o Criador com quem nada pode criar? Não meditais? Porém, se pretendes contar as mercês de Deus, jamais podereis enumerá-las. Sabei que Deus é indulgente, Misericordiosíssimo." (16:10-18).

Diante de tais excertos como podem ainda alguns indivíduos continuarem cegos para o amor a misericórdia de Allah presentes  no Sagrado Alcorão? Existem muitas outras passagens que poderíamos citar aqui, mas nos alongaríamos demais. 
Como diz o texto acima retirado do Livro de Deus, se parássemos para refletir, meditar, razoar, veremos que a própria revelação do Sagrado Alcorão é um ato de amor e misericórdia de Deus para com o ser humano, pois se Ele fez tal coisa foi com o único intuito de conceder a salvação aos Seus servos.
Conheça antes de julgar. Leia o Alcorão!
Baixe-o gratuitamente na Biblioteca deste blog.

sábado, 16 de julho de 2011

Jesus é Deus?

Mesquita Al Aqsa
Jesus é Deus? Esta é uma pergunta que há séculos ocupa as mentes de milhares de cristãos, e embora passa haver uma maioria que diria que sim, há diversas denominações que discordam entre si. O fato é que os que apoiam esta ideia, constantemente se voltam contra os muçulmanos como se esses fossem anti-cristãos ou mesmo renegadores de Jesus (A.S.). Infelizmente, nada está mais longe da verdade que isso. Nenhum muçulmano pode de maneira alguma renegar a Jesus (A.S.) pois desta forma deixaria de ser muçulmano. Assim também, se alguém desejar ser muçulmano mas se negar a reconhecer Jesus (A.S.) como: Profeta de Deus, Enviado de Deus, Verbo de Deus, Servo de Deus e Mensageiro de Deus; então não poderá ingressar no Islam. O que todos os muçulmanos negam categoricamente é a suposta divindade de Jesus (A.S.).
Você leitor, então poderá esperar que para lhe provar isso utilizemos o Sagrado Alcorão, e para você isso de nada adiantará, pois se você é cristão, não o reconhece como sagrado. Porém o que diria se tais provas estivessem em sua própria Bíblia? Sim, na Bíblia, bem ao alcance de suas mãos e facilmente comprováveis por você.
Há aqueles que dizem que nós muçulmanos simplesmente não cremos que Jesus (A.S.) seja Deus pois ele não diz claramente na Bíblia: "Eu sou Deus, me adorem". Bem, só por isso já poderíamos estranhar, pois a mensagem de Deus originalmente revelada é sempre muito clara. Mas se isso não bastasse, e se o próprio Jesus (A.S.) não apenas se esquivasse de dizer que era Deus, mas ainda deixasse claro que não o era? Então você poderá perguntar: Com que base afirmamos isso? Vejamos:
No Livro de Números lemos:

"Deus não é homem, para que minta; nem filho do homem para que se arrependa." (Nm.23:19) (Bíblia Sagrada - Almeida Revista e Atualizada - Sociedade Bíblica do Brasil - 2006)

Note que DEUS NÃO É HOMEM e nem FILHO DO HOMEM. Agora vejamos como Jesus (A.S.) fala sobre si mesmo:

"Mas Jesus lhe respondeu: As raposas têm seus covis, e as aves do céu, ninhos; mas o FILHO DO HOMEM não tem onde reclinar a cabeça." (Mt.8:20). (Bíblia Sagrada - Almeida Revista e Atualizada - Sociedade Bíblica do Brasil - 2006)

"O FILHO DO HOMEM vai, como está escrito a seus respeito, mas ai daquele por intermédio de quem o FILHO DO HOMEM está sendo traído! Melhor fora que não houvesse nascido!" (Mt.26:24).(Bíblia Sagrada - Almeida Revista e Atualizada - Sociedade Bíblica do Brasil - 2006)

Bem, note que Jesus (A.S.) se refere a ele mesmo como Filho do Homem, ou seja, filho do gênero humano, pois Maria (R.A.) de quem nasceu era uma mulher, um ser humano, e não uma divindade. E se for alegado que Jesus (A.S.) é Deus pelo simples fato de ter nascido por ordem de Deus, sem a participação de um pai biológico, então Adão (A.S.) seria muito mais Deus ainda, pois nasceu sem participação de qualquer ser humano, ou seja, feito diretamente por Deus.
Logo, se de acordo com Nm.23:19, Deus não é FILHO DO HOMEM e Jesus (A.S.) afirma ser exatamente isso, ou seja FILHO DO HOMEM é um prova clara de que ele não é Deus.
Partamos então para o seguinte ponto, em que lemos ainda em Nm.23:19 que DEUS NÃO É HOMEM. Mas vejamos como Paulo se refere a Jesus (A.S.): 

"Porquanto há um só Deus e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem." (1Tm.2:5). (Bíblia Sagrada - Almeida Revista e Atualizada - Sociedade Bíblica do Brasil - 2006).

Prestemos bastante atenção em toda essa frase e notemos que: Se há apenas um Deus e Jesus é o mediador entre Deus e o homens, logo, este não pode ser Deus, pois como alguém pode ser mediador entre o outros e si mesmo? Então não seria mediador, mas agente direto. Além do mais Paulo diz de maneira muito evidente: CRISTO JESUS, HOMEM. Como então o mesmo poderia ser Deus se em Nm.23:19 o próprio Deus revelou que Ele não é HOMEM?
Poderíamos parar apenas por aqui, mas vamos mais adiante e estudemos os seguintes pontos:

"E eis que se aproximando dele um mancebo, disse-lhe: Bom Mestre, que bem farei para conseguir a vida eterna? E ele disse-lhe: Por que me chamas de bom? Não há bom senão um só, que é Deus."  (Mt.19:16). (Bíblia Sagrada - Tradução João Ferreira de Almeida - Revista e Corrigida - Imprensa Bíblica Brasileira - 1995).

Bem, neste versículo ao ser chamado de bom o próprio Jesus (A.S.) diz: Por que me chamas de bom? Não há bom senão um só, que é Deus". Ora, se ele supostamente é Deus, qual teria sido o problema do jovem tê-lo chamado de bom? Mas diz enfaticamente que apenas Deus é bom. 
Um fato curioso que merece ser mencionado a esse respeito por exemplo e uma prova de como a Bíblia vem sendo alterada edição após edição durante tantos séculos pode ser visto nesta passagem Bíblica, pois veja o que encontramos em duas edições distintas da mesma editora, no caso, a Sociedade Bíblica do Brasil.
Na edição Almeida revista e corrigida lemos: 

"E eis que, aproximando-se dele um jovem, disse-lhe Bom Mestre, que bem farei, para conseguir a vida eterna? E ele lhe disse: Por que me chamas de bom? Não há bom, senão um só que é Deus." (Mt.19:16)

Agora leiamos a mesma passagem na Bíblia Sagrada edição Almeida revista e atualizada:

"E eis que alguém, aproximando-se, lhe perguntou: Mestre, que farei eu de bom, para alcançar a vida eterna? Respondeu-lhe Jesus: Porque me perguntas acerca do que é bom? Bom só existe um. Se queres porém, entrar na vida, guarda os mandamentos." (Mt.19:16)

Repare como o sentido muda totalmente. E por que isto é feito? Para se retirar qualquer traço em que Jesus (A.S.) afirme não ser Deus, pois o interesse dos mesmos é fomentar a idolatria por Jesus (A.S.), algo que o próprio Profeta (A.S.) sempre abominou.
Vamos mais além:
Alguns tentam provar que Jesus (A.S.) é Deus através do versículo atribuído a ele próprio, quando este menciona: "Eu e o Pai somos um." (Jo.10:30) (Bíblia Sagrada - Almeida Revista e Atualizada - Sociedade Bíblica do Brasil - 2006).
Porém raciocinemos um pouco: Seriam o Profeta Jesus (A.S.) e Deus um só pelo fato do Messias abdicar do uso de sua própria vontade para se entregar e seguir totalmente a vontade de Deus, ou seria ele e Deus uma só "pessoa", um mesmo Deus? Se pensarmos desse último modo então teremos que crer que o marido e a esposa são exatamente a mesma pessoa, a ponto de se o marido é ferido e a esposa está distante, esta sangrará, pois de acordo com a Bíblia: 

"Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornado-se os dois uma só carne." (Gn.2:24) (Bíblia Sagrada - Almeida Revista e Atualizada - Sociedade Bíblica do Brasil - 2006).

Então pode-se tentar refutar de algum modo dizendo que Jesus disse: "Quem me vê a mim vê o Pai" (Jo.14:9) (Bíblia Sagrada - Almeida Revista e Atualizada - Sociedade Bíblica do Brasil - 2006).

Ora, quando enviamos um procurador em nosso nome para fecharmos um negócio com alguém, falar com essa pessoa é o mesmo que falar conosco, o que ela expressará tem o nosso aval. Então quem vê a ela "nos vê". Desta forma todos os profetas (A.S.) analogamente poderiam ser chamados metaforicamente de "procuradores de Deus", pois expressavam unicamente aquilo que Deus lhes ordenara.

Se como uma espécie de ultima alternativa citarmos a passagem abaixo já tão proferida repetidamente por cristãos (porém sem muita reflexão) em que Jesus (A.S.) como uma prova de sua divindade, então veremos que mais uma vez tais bases são muito frágeis. Leia com atenção:

 "Eu sou o caminho, a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim". (Jo.14:6) (Bíblia Sagrada - Almeida Revista e Atualizada - Sociedade Bíblica do Brasil - 2006).

Vamos dissecar esta frase: Se ninguém vai ao Pai a não ser por ele, logo, ele não é o Pai, pois seria aquele que leva até o Pai, que segundo a linguagem utilizada nos evangelhos esse sim (o Pai) seria Deus. Além disso, o fato de Jesus (A.S.) dizer que ninguém vai a Deus a não ser por ele, não é uma condição eterna, pois naquele momento ele era o único profeta vivo para aquele povo.
Mas gostaríamos de chamar atenção para dois últimos pontos: Nos recordemos primeiro da passagem no Monte das Oliveiras:

"E, saindo, foi, como de costume, para o monte das Oliveiras; e os discípulos o acompanharam. Chegando ao lugar escolhido, Jesus lhe disse: Orai, para que não entreis em tentação. Ele, por sua vez, se afastou, cerca de um tiro de pedra, e, de joelhos, orava, dizendo: Pai, se queres, passa de mim este cálice; contudo não se faça a minha vontade, e sim a tua." (Lc.22:39-42) (Bíblia Sagrada - Almeida Revista e Atualizada - Sociedade Bíblica do Brasil - 2006).

Bem, ponderemos: 
  1. Se Jesus (A.S.) é Deus, para quem ele estava orando e pedindo?
  2. Se ele pedia que fosse feita a vontade de Deus e não a dele, não seria esse um claro sinal de que ele não é Deus?
  3. Se ele é Deus, porque estaria orando para ele mesmo?
Por fim prestemos atenção à seguinte passagem bíblica:

"Disse-lhe Jesus: Mulher, podes crer-me que a hora vem, quando nem neste monte, nem em Jerusalém adorareis o Pai. Vós adorais o que não conheceis; nós adoramos o que conhecemos." (Jo.4::21-22).

Notemos que de fato as palavras de Jesus (A.S.) nesse sentido são proféticas, pois muitos o estão adorando e não ao Pai, a quem este adorava. 
Repare também que se ele é Deus, então a quem ele adora, pois ele próprio se autoproclamou um adorador de Deus quando se inclui utilizando o pronome e o verbo adequado: "nós adoramos". Se ele é Deus, a quem Deus adora?
O Venerável Profeta Jesus, Filho de Maria, o Messias, jamais disse ser Deus, mas diversos religiosos séculos a fio corromperam e até hoje continuam a corromper a Palavra de Deus, da qual ele foi transmissor, fazendo assim com que uma outra passagem valesse para eles mesmos:

"Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque fechais o reino dos céus diante dos homens; pois vós não entrais, nem deixais entrar os que estão entrando! (...) Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque rodeais o mar e a terra para fazer um prosélito; e, uma vez feito, o tornais filhos do inferno duas vezes mais do que vós!" (Mt.23:13,15).

Recomendamos que leia também o artigo: Jesus é Realmente o Filho Unigênito de Deus?

terça-feira, 12 de julho de 2011

O Puritanismo Pseudocristão

Há alguns dias lemos em um blog supostamente protestante[1] uma matéria em que tratava sobre a abordagem do sexo no Sagrado Alcorão, tentando assim difamar o Islam como se o mesmo fizesse apologia à obscenidade e à depravação. Porém devido ao teor da matéria e a autoridade com que o autor fala do alto de sua arrogância como se o seu livro e a sua religião estivesse livre de tais coisas é que resolvemos fazer aqui um comparativo entre a Bíblia e o Sagrado Alcorão sobre como ambas as religiões tratam o assunto “sexualidade”.
Para iniciar, vejamos o que podemos encontrar na Bíblia Sagrada que é lida diariamente dentro das igrejas em suas liturgias, tanto para crianças como para senhoras respeitáveis:

“Estas se prostituíram no Egito; prostituíram-se na sua mocidade; ali foram apertados os seus peitos e apalpados os seios da sua virgindade.” (Ez.23:3)

“As suas impudicícias, que trouxe do Egito, não as deixou; porque com ela se deitaram na sua mocidade, e eles apalparam os seios da sua virgindade e derramaram sobre ela a sua impudicícia.” (Ez.23:8)

“Inflamou-se pelos seus amantes, cujos membros eram como o de jumento e cujo fluxo é como o fluxo de cavalos. Assim, trouxe à memória a luxúria da tua mocidade, quando os do Egito apalpavam os teus seios, os peitos da tua mocidade.” (Ez.23:20-21)

“Subiu Ló de Zoar e habitou no monte, ele e suas duas filhas, porque receavam permanecer em Zoar; e habitou numa caverna, e com ele as duas filhas. Então, a primogênita disse à mais moça: nosso pai está velho, e não há homem na terra que venha unir-se conosco, segundo o costume de toda terra. Vem, façamo-lo beber vinho, deitemo-nos com ele e conservemos a descendência de nosso pai.
Naquela noite, pois, deram de beber vinho a seu pai, e, entrando a primogênita, se deitou com ele, sem que ele notasse, nem quando ela se deitou, nem quando se levantou.
No dia seguinte, disse a primogênita à mais nova: Deitei-me, ontem, à noite, com o meu pai. Demos-lhe a beber vinho também essa noite; entra e deita-te com ele, para que preservemos a descendência de nosso pai.
De novo, pois, deram, aquela noite, a beber vinho a seu pai, e, entrando a mais nova, se deitou com ele, sem que ele o notasse, nem quando ela se deitou, nem quando se levantou. E assim as duas filhas de Ló conceberam de seu próprio pai.” (Gn.19:30-36)
Mas se apenas isso não bastasse e se pudesse alegar que tais práticas estivessem presentes apenas no Antigo Testamento, embora este também faça parte da Bíblia Cristã, vejamos como Jesus (A.S.) trata com naturalidade, ainda que em uma parábola o fato de um homem poder ter 10 noivas:

“Então, o reino dos céus será semelhante a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas , saíram a encontrar-se com o noivo.” (Mt.25:1).

Os Textos acima foram retiradas da Bíblia Sagrada, Edição Almeida Revista e Atualizada da Sociedade Bíblica do Brasil.
Caro leitor, assim como os textos apresentados acima, digno das obras de Nelson Rodrigues, existem muitos outros, porém este artigo se tornaria enfadonho e seu prolongamento desnecessário para provar o óbvio que já foi levado a efeito com tais excertos.
Vejamos agora como o Sagrado Alcorão se refere e à tais atos:

“Quando estes cometem uma obscenidade, dizem: Cometemo-la porque encontramos nossos pais fazendo isto; e foi Deus Quem no-la ordenou. Dize: Deus jamais ordena a obscenidade. Ousais dizer de Deus o que ignorais?” Sagrado Alcorão 7:28).

Enfim, contra fatos não há argumentos.
Cremos que o grande problema de alguns supostos cristãos é não estudar e por isso não conhecer o seu próprio livro a fundo.
Pense conosco leitor: não seria muito mais útil que esses mesmos “donos da verdade” se dedicassem mais a estudar seus próprios livros e colocar em prática os ensinamentos corretos contidos nele, ao invés de se entregarem à verborragia, a maledicência e à mentira?
Bem, a única coisa que podemos ter a certeza de tais pessoas é que seguem perfeitamente o que disse o seu mestre Paulo de Tarso:

“Mas que importa? De qualquer maneira - ou com segundas intenções ou sinceramente – Cristo é proclamado, e com isso me regozijo”.(Fl.1:18).

Porém de acordo com a própria Bíblia o Venerável Profeta Jesus (A.S.) disse:

“Vós sois do diabo, vosso pai, e quereis realizar os desejos de vosso pai. Ele foi homicida desde o princípio e não permaneceu na verdade, porque nele não há verdade: quando ele mente, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira”. (Jo.8:44).

A verdade está aparente, segundo a linguagem bíblica, “luz está sobre o candeeiro”. Agora “Aquele que tiver olhos para ver e ouvidos para ouvir” que ouça e veja.



[1] Embora creiamos que o autor não aja segundo a sua igreja ensine.

domingo, 3 de julho de 2011

Novos Tempos: Brasil Sem Islamofobia

Caro leitor, você se lembra em algum momento no Brasil em que os meios de comunicação foram imparciais, levando o povo a verdade nua e crua, sem máscaras? Certamente não, pois isso de fato nunca ocorreu em nosso país.
Quem não se recorda por exemplo da alegação de que o Presidente de nosso país, Getúlio Vargas se suicidou com um tiro no coração? Ora, que tipo de arma ele estava usando que seria mais fácil ele próprio apontá-la para o seu coração que para sua cabeça ou qualquer outro lugar de seu corpo? Esta é mais uma "historinha para boi dormir" de nossa imprensa tendenciosa e maquiavélica. E se ela já era assim no século passado, em pleno século XXI a coisa não mudou. Basta ver a capa da Revista Veja de abril deste ano, onde este veículo de (des)informação difama os muçulmanos do Brasil e alega falsamente tero obtido informações com órgãos secretos internacionais.
Leitor, pense um pouco conosco: você acha que se isso fosse verdade, o FBI, CIA e Interpol passariam suas informações secretas para uma revista brasileira? Com que intuito abriram seus arquivos secretos investigativos? Sandice... E esta é qualidade de leitura que você deseja para si? Não faça de seu cérebro uma lixeira. Você merece mais. Por isso indicamos aqui em uma outra matéria a revista Carta Capital, que ainda mantem a sua ética profissional.
Felizmente as coisas no Brasil estão mudando, e muitos estão acordando para a tão antiga manipulação midiática. Um exemplo claro disso foi o discurso feito pelo Deputado Protógenes Queiroz na tribuna do Plenário Ulysses Guimarães como pode ser visto nos vídeos abaixo: 



Além deste protesto público do Deputado, podemos ver que a lei enfim também está começando a ser aplicada em nosso país. Exemplo disso é que A Juíza Cláudia Maria Pereira Ravacci, da 35º Vara Cível de São Paulo, condenou a Revista Veja e a Editora Abril pela reportagem: "A Rede do Terror no Brasil". A ação foi movida pela União Nacional Islâmica - UNI por intermédio do Dr. Abdi Abdouni, advogado e também muçulmano.
A condenação será a publicação do direito de resposta ocupando o mesmo espaço da matéria difamatória e criminosa que a Veja havia publicado anteriormente. De acordo com o Dr. Abdi Abdouni: "As ofensas contidas no texto impugnado causam lesões aos direitos da coletividade muçulmana, dando ensejo, ao direito de resposta reinvidicado".
Para os mais incrédulos, segue abaixo a sentença expedida pela juíza:

A verdade é que ainda falta muito para que a islamofobia seja tratada como crime no Brasil e punida como se deve, mas os primeiros passos já estão sendo dados, e como disse Lao Tsé: "Uma longa caminhada se começa pelo primeiro passo".