quinta-feira, 28 de julho de 2011

"Terrorismo Cristão"


Turbante, barbas longas, cabeleira... Talvez esta seja a imagem que você faça de um terrorista, seguindo os padrões “estabelecidos” pelos meios de comunicação sionistas que utilizam seu poder de formadores de opinião para deturpar as mentes das pessoas com preconceitos e mentiras, denegrindo o Islam e os muçulmanos.
Já diziam os antigos que “mentira tem perna curta”, ou seja, mais cedo ou mais tarde toda mentira é descoberta. Contamos com isso para que um dia a humanidade se liberte de todas as mentiras que lhes foram incutidas na mente desde sempre, com o intuito de lhes privar do seu direito básico de raciocinar.
Anders Behring Brejvik, 32 anos, aparentemente um moço bonito, gentil, bem educado... Inofensivo...
Anders Behring Brejvik foi o responsável pela morte de 76 pessoas em um atentado na Noruega.
O “cristão Radical Terrorista” em questão, o cidadão norueguês nascido em Oslo, Anders Behring Brejvik, um Fundamentalista Cristão, ligado Ordem dos Templários, à Extrema-Direita e à Maçonaria, Neoconservador e vocal Defensor do Estado de Israel, é o presumível autor de vários atentados. É acusado de ter entrado, disfarçado de agente da polícia, no acampamento de jovens do Partido Trabalhista (Arbeiderpartiet), na ilha de Utoya, abrindo fogo contra os presentes.Também lhe é atribuída, provisoriamente, a autoria do atentado usando bombas em combinação, ocorrido cerca de duas horas antes, em Oslo. Behring foi preso em Utoya, ficando sob custódia da polícia. Inimigo declarado do multiculturalismo e do Islam, O assassino de Oslo cita várias vezes o Brasil como exemplo do caos da miscigenação. Anders atribui a essa “promiscuidade racial”, as desigualdades e a corrupção.

A European Declaration of Independence — 2083, assinado por Anders Behring Brejvik, é um manifesto capaz de deturpar a razão de muitas pessoas desprovidas dos postulados básicos do Humanismo. Pode perverter os desavisados e, assim, a lógica histórica. Segundo o manifesto de Anders, todos os que são diferentes não pertencem à mesma natureza dele, logo, são inimigos que ele deve eliminar.
Ou seja: Os muçulmanos de hoje são os judeus, os ciganos, os eslavos e os comunistas de ontem. E os judeus de Tel Aviv (me refiro aqui aos sionistas e não aos judeus propriamente ditos) não são mais os que resistiram ao assalto ao Gueto de Varsóvia.
Você, cristão, deve estar agora muito ofendido por ter lido o termo “Cristão Radical Terrorista”... Agora você sabe como um muçulmano se sente ao ler este tipo de coisa todos os dias nos jornais, ao ouvir este tipo de comentário em programas de TV e esta imagem distorcida em filmes hollywoodianos!!!...
Nós, do A Nova Cruzada, só temos uma coisa a dizer a este respeito:
NENHUM “CRENTE” É “TERRORISTA”, POIS “TODO CRENTE”, INDEPENDENTE DE SUA RELIGIÃO, TEM TEMOR A DEUS E RESPEITA AS LEIS QUE DEUS NOS DEIXOU PARA SEGUIR!
Portanto, de hoje em diante, pensemos antes de dizer que o mau-feitor segue a esta ou àquela religião, pois se ele seguisse a Deus, não seria um mau-feitor!
SALAM ALAYKUM!

Um comentário:

  1. Salam, Fatimah!

    pois se ele seguisse a Deus, não seria um mau-feitor!


    Muito bem! Adorei o post e gostei muito mais dessa frase! Definiu tudo!

    Esse é mais um exemplo de que terrorismo não tem nacionalidade, origem ou religião! Mas mesmo assim, infelizmente, associam o terror a uma determinada religião ou povo!

    ResponderExcluir