sábado, 8 de outubro de 2011

Ismael (A.S.) e Isaque (A.S.): Verdades e Mitos


Quem foi o primogênito e o filho da promessa de Abraão de acordo com a Torah e a Bíblia? Para judeus e cristãos durante séculos e séculos a resposta tem sido sempre a mesma: Isaque (A.S.), sem sobra de dúvidas. Mas se analisarmos os próprios textos destes livros sagrados veremos que não é bem assim.
Lemos por exemplo:

“Ora, Sarai, mulher de Abrão, não lhe dava filhos, tendo, porém, uma serva egípcia, por nome Agar, disse Sarai a Abrão: Eis que o Senhor me tem impedido de dar à luz filhos; toma, pois, a minha serva, e assim me edificarei com filhos por meio dela. E Abrão anuiu ao conselho de Sarai. Então, Sarai, mulher de Abrão tomou a Agar, egípcia, sua serva, e deu-a por mulher a Abrão, seu marido, depois de ter ele habitado por dez anos na terra de Canaã. Ele a possuiu, e ela concebeu.” (Gn.16:1-4) – Bíblia João Ferreira de Almeida Revista e Atualizada – Sociedade Bíblica do Brasil – SBB – 2006.

Primeiramente vemos que Sara, esposa do Profeta Abraão (A.S.) não podia ter filhos, por isso deu a sua serva como mulher a seu esposo. Porém o termo “mulher” tem despertado muitas divergências, pois de um lado muçulmanos e judeus afirmam que esta palavra neste contexto tem o sentido de “esposa”, enquanto os cristãos afirmam que ela era apenas uma “concubina” de Abraão. Ora, se consultarmos o dicionário Michaelis veremos que o significado de concubina é: 1 Mulher ilegítima; amásia, barregã. 2 Rameira. Agora vejamos o significado de Amásia no mesmo dicionário: amante, concubina. Vejamos também de Barregã: Mulher amancebada, amásia, concubina. E por último vejamos o significado de Rameira: meretriz, prostituta.
Mediante o acima exposto é difícil crermos que um profeta de Deus, que é referência para todo o seu povo também dentre os profetas, tenha tido relações com uma amante ou com uma prostituta, pois desse modo seria ele um adúltero e mereceria a morte por apedrejamento como ensinado pela própria Bíblia ou Torah.
Porém aqui felizmente não é este o caso, pois Agar, ou Hagar (como no hebraico) foi dada de fato como “esposa” à Abraão, e logo como tal, passou a ter o mesmo status de Sara, pois era e não sua amante, como poderemos ler a seguir:

“Depois de Abrão ter vivido em Canaan por dez anos, sua esposa Sarai tomou Hagar, a egípcia, sua escrava, e a deu a seu marido Abrão como esposa.(Bereshit ou Gn.16:3) – A Torá Viva – Anotada pelo Rabino Arieh Kaplan – Editora Maayanot – 2.000.

Isto resolvido, por já sabermos que Hagar era tão esposa quanto Sara, e por isso o filho proveniente deste casamento não era ilegítimo nem para Hagar, nem para Abrão (A.S.), e na verdade nem mesmo para Sara, pois ela autorizou a união, mesmo que tenha ficado com ciúmes depois. De acordo com a Bíblia, ela já tinha autorizado a união, e o casamento com sua permissão já havia se consumado. Logo, o filho proveniente da união de Abraão (A.S.) e Hagar de forma alguma era um bastardo.
Então sempre haverá aqueles que dirão que na verdade o filho amado por Abraão (A.S.) seria Isaque (A.S.), e partido desta linha de raciocínio poderíamos questionar então senso de justiça de um profeta de tal renome. Porém vejamos a seguinte passagem e o que ela nos revela:

“Disse também Deus a Abraão: A Sarai, tua mulher, já não lhe chamarás Sarai, porém Sara. Abençoá-la-ei e dela te darei um filho; sim, eu a abençoarei, e ela se tornará nações; reis e povos procederão dela. Então, se prostrou Abraão, rosto em terra, e se riu, e disse consigo: A um homem de cem anos há de nascer um filho?? Dará à luz Sara com seus noventa anos? Disse Abraão a Deus: Tomara que viva Ismael diante de ti. (Gn.17:15-18) Bíblia João Ferreira de Almeida Reviste a Atualizada – Sociedade Bíblica do Brasil – SBB – 2006)

Vejamos que mesmo Deus tendo prometido um filho a Abraão (A.S.) ele se lembra e pede para que Isamel (A.S.) seu filho primogênito (e até então unigênito) viva diante da presença de Deus.
Analisemos agora o período de nascimento de Ismael (A.S.) e de Isaque:

“Era Abrão de oitenta e seis anos, quando Agar lhe deu à luz Ismael.” (Gn.16:16).

“Tinha Abraão cem anos, quando lhe nasceu Isaque, seu filho.” (Gn.21:5)
Bíblia João Ferreira de Almeida Reviste a Atualizada – Sociedade Bíblica do Brasil – SBB – 2006)

Percebemos pelo exposto acima que Ismael (A.S.) era 14 anos mais velho que seu irmão Isaque, e como tal, Ismael era o primogênito.
Então alguns poderão dizer que a primogenitura de Isaque foi ganha em detrimento da de Ismael por meio do versículo a seguir, e que ele (Isaque) é que de fato é então o “filho da promessa”:

“A minha aliança, porém, estabelecê-la-ei com Isaque.” (Gn.17:21). Bíblia João Ferreira de Almeida Reviste a Atualizada – Sociedade Bíblica do Brasil – SBB – 2006).

Mas vejamos a promessa que foi feita com referência a Isaque (A.S.):

“Disse também Deus a Abraão: A Sarai, tua mulher, já não lhe chamarás Sarai, porém Sara. Abençoá-la-ei e dela te darei um filho; sim, eu a abençoarei, e ela se tornará nações; reis e povos procederão dela. (Gn.17:15-16). Bíblia João Ferreira de Almeida Reviste a Atualizada – Sociedade Bíblica do Brasil – SBB – 2006).

Agora vejamos se a mesma promessa não foi feita à Isamel (A.S.):

“Quanto a Ismael, eu te ouvi: abençoá-lo-ei, fá-lo-ei fecundo e o multiplicarei extraordinariamente; gerará doze príncipes, e dele farei uma grande nação.” (Gn.17:20) Bíblia João Ferreira de Almeida Reviste a Atualizada – Sociedade Bíblica do Brasil – SBB – 2006).

Sabemos claramente que de Isaque (A.S.) vieram os judeus, e de Ismael (A.S.) vieram os muçulmanos. Bem, quem é a maior nação hoje, judeus ou muçulmanos? De acordo com o Escritório Central de Estatísticas de Israel há cerca de 13,3 milhões de judeus em todo mundo. Já os muçulmanos em 2009 passavam a marca de 1,5 bilhões. Hoje, já formam 25% da população mundial. Quem se tornou a maior nação?
Se isso ainda não bastasse podemos ler na Bíblia:

Profeta Abraão (A.S.) prestes a sacrificar
seu filho, o Profeta Ismael (A.S.).
“Depois dessas coisas, pôs Deus Abraão à prova e lhe disse: Abraão! Este lhe respondeu: Eis-me aqui!
Acrescentou Deus: Toma teu filho, teu único filho, Isaque, a quem amas, e vai-te à terra de Mosiá; oferece-o ali em holocausto, sobre um dos montes, que te mostrarei.” (Gn.22:1-2).
Bíblia João Ferreira de Almeida Reviste a Atualizada – Sociedade Bíblica do Brasil – SBB – 2006).

Não é necessário ser nenhum gênio para entendermos que é inviável que neste excerto Deus esteja se referindo a Isaque (A.S.), sendo seu nome posteriormente colocado nos manuscritos como um acréscimo tardio, pois durante 14 anos Ismael (A.S.) foi de fato o filho único, já Isaque (A.S.) nunca o foi, pois quando nasceu seu irmão Ismael (A.S.) já existia, logo concluímos que quem foi levado para o holocausto foi Ismael (A.S.) e não Isaque (A.S.).
Poço de Zam-Zam próximo à Meca, na Arábia
Quando falamos que Agar e seu filho Ismael (A.S.) foram para a Arábia, atual Arábia Saudita, ouvirmos acusações de que estamos sendo tendenciosos. Em especial quando afirmamos categoricamente que o poço da passagem abaixo se refere ao poço de Zam Zam, onde anualmente milhares de muçulmanos o visitam durante os ritos do Hajj (Peregrinação à Meca). Leia a passagem:

“Abrindo-lhe Deus os olhos, viu ela um poço de água, e, indo a ele, encheu de água o odre, e deu de beber ao rapaz. Deus estava com o rapaz, que cresceu, habitou no deserto e se tornou flecheiro; habitou no deserto de Parã, e sua mãe o casou com uma mulher da terra do Egito.” (Gn.21:19-21).
Bíblia João Ferreira de Almeida Reviste a Atualizada – Sociedade Bíblica do Brasil – SBB – 2006).

Sobre tal poço, vejamos o que o Rabino Arieh Kaplan diz na nota de roda-pé de sua “A Torá Viva”:

“Ibn Ezra o identifica com Zimum (ou em outras versões Zimzum), onde os árabes matem um festival anual. Este é Zenzem perto de Meca. De acordo com isso portanto, Hagar dirigiu-se para a Península Arábica e não em direção ao Egito.”  (A Torá Viva) Pg. 74 – Editora Maayanot.

Elohim: mesma raíz semítica de Allah
Outro grande mito sobre os muçulmanos é que Allah é um deus particular dos muçulmanos. Quanto a isso vejamos o que a própria Bíblia diz:

“Estabelecerei a minha aliança entre mim e ti e a tua descendência no decurso das suas gerações, aliança perpétua, para ser o teu Deus e da tua descendência.” (Gn.17:7)

Allah: mesma raíz de Elohim
Logo podemos chegar a conclusão que o Deus de judeus, muçulmanos e cristãos originalmente que é verdadeiro Deus, Uno e Único, e não o adorado desde 325 d.C. por cristãos após o Concílio de Nicéia que se tornou por gosto de um grupo de homens, trino e uno.
O nome Allah provém como já dito neste blog tantas vezes da raiz semítica “Elloh”, em comum entre o hebraico e o árabe, que no plural majestático no hebraico passa para Elohim. Ou seja não há qualquer divergência quanto a isso entre muçulmanos e judeus.
Enfim, com este artigo esperamos ter esclarecido mais um dos muitos mitos criados por aqueles que desconhecem além de sua própria religião também ao Islam.

Nenhum comentário:

Postar um comentário