domingo, 9 de outubro de 2011

Por Que Os Sacrifícios de Expiação Cessaram?


A suposta crucificação de Jesus (A.S.)
Quantas vezes leitor você já ouviu dizer que Jesus (A.S.) se sacrificou por você? E esta tem sido a forma apelativa do Cristianismo durante séculos a fio impor um sentimento de culpa a seus adeptos  por algo que não seria de sua responsabilidade mesmo que houvesse ocorrido, pois na própria Bíblia lemos:

"A alma que pecar, essa morrerá; o filho não levará a iniquidade do pai, nem o pai, a iniquidade do filho; a justiça do justo ficará sobre ele, e a perversidade do perverso cairá sobre este.
Mas, se o perverso se converter de todos os pecados que cometeu, e guardar todos os meus estatutos, e fizer o que é reto e justo, certamente viverá; não será morto. De todas as transgressões que cometeu não haverá lembrança contra ele; pela justiça que praticou viverá. (Ez.18:20-22) - Bíblia Sagrada - João Ferreira de Almeida Revista e Atualizada - Sociedade Bíblica do Brasil - SBB - 2006.

Adão (A.S.) e Eva no Paraíso.
Da passagem acima exposto podemos tirar a lição de que nós não somos responsáveis pelo pecado cometido por Adão (A.S.) e Eva, até mesmo porque embora a Bíblia e a Torah não relatem, o Sagrado Alcorão o faz, afirmando que os pais da raça humana se arrependeram de seu pecado e foram perdoados por Deus. Veja:

"Adão obteve do seu Senhor algumas palavras de inspiração, e Ele o perdoou, porque é o Remissório, o Misericordiosíssimo." (Sagrado Alcorão - 2:37)

Logo o pecado original proclamado pela Igreja tão fortemente por mais de 2.000 anos NÃO EXISTE. Toda criança nasce completamente pura ( em estado de fitra). Em contrapartida a partir do momento que tomamos consciência de nossos próprios atos, passamos a ser responsáveis por cada pecado que cometemos, e ninguém paga pelo pecado do seu próximo.
Levando isso em consideração leiamos o que diz o Sagrado Alcorão, que neste caso corrobora o texto bíblico acima: 

"E nenhum pecador arcará com culpa alheia." (Sagrado Alcorão - 35:18).

Ora, se um pecador não paga pelo pecado de outrem, por que uma pessoa inocente, sem pecados, como foi o caso do Profeta Jesus (A.S.) pagaria com sua própria vida pelos nossos erros? E ainda assim, se hoje questionarmos a um cristão se este é pecador, se ele for sensato e honesto para consigo mesmo dirá obviamente que sim. De que então teria valido o suposto sacrifício de Jesus (A.S.) na cruz se seus seguidores continuam pecando e sendo pecadores? Além do mais, onde estaria a justiça e a coerência divina em um inocente pagar pelos culpados?
O que isso acarreta? Desculpas para se continuar praticando o que é pecaminoso, pois se Jesus (A.S.) "já pagou" por tudo o que eu pequei e ainda vou pecar, o que me impede de continuar pecando? Seria essa uma conduta moral inadequada, mas bastante cômoda.
Mas você deve estar se perguntando: onde estamos querendo chegar com isso tudo? 

O Sacrifício

Existe entre os cristãos a crença de que o sacrifício expiatório de animais terminou porque Jesus (A.S.) que identificado nos Evangelhos como "O Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo" (Jo.1:29, 36) já morreu por nós e assim como o cordeiro, expiou os nosso pecados, e por esse motivo os sacrifícios pararam de ser oferecidos a Deus. Será mesmo?
Primeiro analisemos que sentido faria o sacrifício de Jesus (A.S.) de acordo com a própria Bíblia: Embora seja evidente que Jesus (A.S.) tenha sido um homem, quando se trata de provar fatos a certos cristãos todo tipo de prova é necessária para evitar suas derivações filosóficas mirabolantes e abstratas. Vejamos na Bíblia a prova da humanidade de Jesus (A.S.): "Cristo Jesus, homem." (1Tm.2:5) - Bíblia Sagrada - João Ferreira de Almeida Revista e Atualizada - Sociedade Bíblica do Brasil - SBB - 2006.
Continuando em (1Tm.2:6) lemos: "O qual deu a si mesmo por todos: testemunho que se deve prestar em tempos oportunos." (Bíblia Sagrada - João Ferreira de Almeida Revista e Atualizada - Sociedade Bíblica do Brasil - SBB - 2006.) Vejamos porém se o sacrifício de um ser humano é válido, permitido e agradável a Deus: "Não farás assim ao Senhor, teu Deus, porque tudo o que é abominável ao Senhor e que ele odeia fizeram eles a seus deuses, pois até seus filhos e suas filhas queimaram aos seus deuses. Tudo a que eu te ordeno observarás; nada lhe acrescentarás, nem diminuirás." (Dt.12:31-32). E ainda: "Deram culto a seus ídolos, os quais se lhes converteram em laço; pois imolaram seus filhos e suas filhas aos demônios e derramaram sangue inocente, o sangue deu seus filhos e filhas, que sacrificaram aos ídolos de Canaã; e a terra foi contaminada com sangue. Assim, se contaminaram com as suas obras e se prostituíram nos seus feitos. Acendeu-se, por isso, a ira do Senhor contra o seu povo, e ele abominou a sua própria herança..." (Sl.106:36-40).   Bíblia Sagrada - João Ferreira de Almeida Revista e Atualizada - Sociedade Bíblica do Brasil - SBB - 2006. Ora, será que o mesmo Deus que abominava sacrifícios humanos de repente mudou de idéia? Improvável, para não dizer incoerente.
Se os judeus não creem que Jesus (A.S.) é o messias, ou um profeta de Deus e etc. E se para eles o fato de Jesus (A.S.) ter vivido ou morrido não faz a menor diferença, pois segundo sua crença Jesus (A.S.) na melhor das hipóteses não passou de um homem comum (porém há linhas no judaísmo que afirma que ele tenha sido um charlatão) por que eles pararam de oferecer sacrifícios também? Por que Jesus (A.S.) já morreu por nossos pecados e é o Cordeiro de Deus? Não. A resposta encontraremos no Sidur, livro em que se encontra todas as liturgias judaicas utilizada pelos judeus diariamente. Nele, durante o Shacharit (Ofício da Manhã) se lê: "Que seja de Tua vontade, ó Eterno, nosso Deus e Deus de nossos pais, ter compaixão de nós e perdoar todos os nossos pecados, outorgar a remissão de todas as nossas iniquidades e perdoar todas as nossas transgressões; e que, com brevidade, reconstruas o Teu Santo Templo, prontamente, em nossos dias, de maneira que possamos oferecer, diante de Ti, o Sacrifício Contínuo para a nossa remissão, conforme prescreveste a nosso respeito na tua Torá, por intermédio de Moisés, Teu servo, diretamente da Tua Glória, assim como foi dito..(depois segue Nm.28)". Sidur Completo - Editora Sêfer.
Analisados os pontos acima podemos chegar a conclusão de que o fim dos sacrifícios de animais no meio judaico-cristão nada tem haver com a suposta imolação de Jesus (A.S.). Primeiro porque ele jamais pagaria pelo pecado de outrem como já provamos nas escrituras; segundo porque o sacrifício humano é abominável a Deus como pudemos também constatar; terceiro porque se o Templo estivesse ainda erguido, os sacrifícios continuariam, e é isso que os judeus pedem diariamente em suas orações matinais; quarto porque comparar um profeta de Deus, o Messias, a um animal é altamente pejorativo. Em suma: NÃO, JESUS (A.S.) NÃO MORREU POR VOCÊ! Faça sua parte o melhor que possa, saia do comodismo, peça constantemente o perdão de Deus pelos seus pecados, tome a firme resolução de não voltar a praticar tais atos e saiba que Ele é justo, mas confie também em Sua misericórdia.

Um comentário:

  1. Gostei muito. D'us impediu Abraão de Sacrificar seu filho, provendo não mais um ser humano pra morrer em seu lugar mas sim um animal, um cordeiro. E este cordeiro não é e jamais será uma tipologia de um homem chamado de Jesus.

    ResponderExcluir