quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Cristãos Sionistas - Parte I

Esta semana chegou às minhas mãos um jornal pentecostal em que como sempre o governo sionista de Israel era colocado como vítima. Até aí isso obviamente não me surpreendeu. A machete dizia: "Mais uma vez, o mundo se levanta contra Israel". Ora, pensemos um pouco: será que todo o mundo está errado e apenas Israel e os E.U.A. estão certos? Ou será que as atrocidades e arbitrariedades de Israel chegaram a um ponto limite onde já se tornou impossível de esconder da humanidade?
Tal título até então não me chamou atenção, pois já é sabido o quanto certas igrejas IDOLATRAM Israel, como se o próprio governo israelense corroborasse o Cristianismo e respaldasse seus ensinamentos. Ledo engano, pois nem os judeus e menos ainda os sionistas reconhecem Jesus (A.S.) como o Messias, profeta de Deus, enviado de Deus e etc.
Mas voltando a matéria, o que realmente me fez ficar boquiaberto, se é que alguma coisa nesse meio ainda possa me surpreender, foi o fato de colocarem a oposição a Israel como uma oposição a Bíblia, pois na página que trata da matéria na íntegra lemos: "O que as profecias bíblicas falam sobre a oposição a Israel no final dos tempos e as verdades sobre o Oriente Médio omitidas pela maior parte da imprensa."
Porém será mesmo que a Bíblia respalda essa Israel que temos hoje? Será que o Judaísmo e seus dignatários concordam com Israel e com o alegado em tal jornal? Vejamos:
O texto bíblico que tais pentecostais sionistas utilizam como argumento é: "A salvação vem dos judeus." (Jo.4:22). Porém os mesmos se esquecem que os próprios judeus segundo consta na Bíblia, foram os responsáveis por renegarem seus profetas e também pela suposta morte de Jesus (A.S.), não o aceitando como o Messias. Por este motivo o próprio Jesus (A.S.) disse:

"Jerusalém, Jerusalém, que mata os profetas e apedreja os que foram enviados, quantas vezes quis reunir teus filhos como a galinha recolhe seus pintinhos debaixo das asas, mas não quiseste! Eis que vossa casa ficará abandonada. Sim, eu vos digo, que não me vereis até o dia em que direis: Bendito aquele que vem em nome do Senhor." (Lc.13:34)

"Então começou a verberar as cidades onde havia feito a maior parte dos seus milagres, por não se terem arrependido: 'Ai de ti, Corazin! Ai de ti, Betsaida! Porque se em Tiro e em Sidônia tivessem sido realizados os milagres que em vós se realizaram, há muito se teriam arrependido, vestindo-se de cilício e cobrindo-se de cinza. Mas eu vos digo: no Dia do Julgamento haverá menos rigor para Tiro e Sidônia do que para vós. E tu Cafarnaum, por acaso te elevarás até o céu? Antes, até o inferno descerás. Porque se em Sodoma tivessem sido realizados os milagres que em ti se realizaram, ela teria permanecido até hoje. Mas eu vos digo que no Dia do Julgamento haverá menos rigor para a terra de Sodoma do que para vós.'" (Mt.11:20-24).

Tais passagens foram corroboradas por Allah no Sagrado Alcorão quando disse:

"Os que renegaram a Fé, dentre os filhos de Israel, foram amaldiçoados pela boca de David e de Jesus, filho de Maria. Isso porque desobedeceram e cometeram agressão." (Sagrado Alcorão - 5:78).

Rabino protesta contra Israel
Talvez você possa perguntar sobre o que temos contra os judeus, ou Jerusalém, e mais amplamente contra Israel. Podemos dizer que muito pelo contrário , não há nada contra o Judaísmo. Note que, por exemplo, no Alcorão Allah mesmo não generaliza, pois diz que "os que renegam a Fé, dentre os filhos de Israel, foram amaldiçoados." Ora, a palavra "dentre" já demonstra que não foram todos os filhos de Israel que a renegaram, logo de forma alguma o Islam tem os judeus (que não nossos primos) como amaldiçoados. O muçulmano que não respeita a religião judaica, comete um grande erro, pois esta foi baseada na Torah que foi originalmente revelada por Allah a um de seus profetas, ou seja,  a Moisés (A.S.).
O que desejamos mostrar até então é que se a idolatria por Israel é justificada por Jo.4:22, ela é anulada por Lc.13:34 e Mt.11:20-24).

Inconsistência Bíblica do Estado de Israel

Embora possa se alegar um motivo profético para a fundação do Estado de Israel, como poderemos ver ele é inteiramente inconsistente. Pois a tese que é defendida como motivo para a criação desta terra prometida , encontra-se no livro de Isaías. Porém como veremos, Israel como Estado constituído só passaria existir com a vinda do Messias. Leia:

"Naquele dia, o Senhor tornará a estender a sua mão para resgatar o resto de seu povo, a saber, aquilo que restar na Assíria, e no Egito, em Patros, em Cuch e no Elam, em Senaar, em Emat, nas ilhas do mar. ele erguerá um sinal para as nações e reunirá os banidos de Israel. Ajuntará os dispersos de Judá dos quatro cantos da terra." (Is. 11:11-12).

Levando em consideração que segundo a crença judaica, Jesus (A.S.) não é o Messias, e que até hoje os judeus aguardam o seu prometido enviado de Deus para reunir o povo judeu sob seu comando, um Estado formado antes da ordem  messiânica é um ultraje à própria autoridade do Messias.
Lembramos que para nós, Jesus (A.S.) de fato é o Messias.

Os Terrores do Sionismo

D. Damaskinos Mansour
Segundo D. Damaskinos Mansour, Arcebispo Metropolitano da Igreja Ortodoxa Antioquena no Brasil: "O cristianismo ortodoxo recusa, de forma absoluta a crença sionista do século XX, apoiada por alguns setores evangélicos radicais e tortuosos que alegam o retorno do povo de Israel para a Terra Santa (Palestina)." [Do livro: A Questão Jerusalém]
O que talvez esses mesmos evangélicos, aos quais D. Damaskinos se refere, desconheçam, são os terrores e as arbitrariedades cometidas pelo governo sionista de Israel.
A principal desculpa e aparente motivação para a invasão da Palestina era ade que aquelas terras pertenciam aos seus antepassados. Ora! Que antepassados, se, por exemplo, os judeus ashkenazin descendem dos cossacos russos convertidos ao judaísmo por um decreto do Czar no século VIII? Que antepassados judeus este povo pode ter no Oriente Médio? Seus antecessores estão bem enterrados no leste-europeu.
Ao pesquisarmos mais profundamente sobre o assunto para que pudéssemos abordá-lo com mais propriedade para este artigo, descobrimos uma das maiores ironias sobre a motivação do movimento sionista para a ocupação da Palestina que não passa de pretexto descabido para ocultar um intuito obscuro e envolto nas brumas além do óbvio interesse na erradicação do povo árabe. Seus primos, quiçá irmãos já de tanto tempo e que sempre vieram incomodando devido a puro capricho segundo a Bíblia conta, de Sara e de Isaac, motivo pelo qual, de acordo com o livro sagrado já deturpado, Hagar foi abandonada no deserto.
Vemos claramente a falta de valores e a ganância desmedida dos pseudo-judeus sionistas quando criaram o mito de "Uma terra sem povo, para um povo sem terra". O que ocorre leitor, é que esta ficção criada de que a Palestina era um local desabitado, servindo apenas de pouso para as tribos nômades árabes vez por outra, e aguardava apenas ser habitada, mais uma vez não passava de uma grande farsa, como tantas outras. Assim como ocorreu com o "Descobrimento do Brasil", onde ao chegarem os portugueses, índios já estavam em nossas terras. Do mesmo modo a "terra sem povo" já possuía uma verdadeira nação habitando-a. Desta forma houve o pretexto necessário para tentar eliminar um povo, juntamente com sua identidade, nacionalidade, cultura e títulos de direito de posse dos palestinos que vivem naquelas terras há tempos  imemoráveis.
Assim após a tentativa dos Cristãos dominarem a Palestina com as cruzadas medievais, tentativa essa que embora não tenha tido sucesso completo, acabou por integrar nesta terra - palco de pregação e perseguição de tantos profetas - a judeus, muçulmanos e cristãos, que desde então após o fim das batalhas passaram a conviver harmonicamente em toda a Palestina e mais precisamente em Jerusalém, cidade cujo nome ironicamente significa "Cidade da Paz".
[Continua]

Nenhum comentário:

Postar um comentário