sábado, 11 de fevereiro de 2012

A Controversa Questão do Batismo

Batismo por Imersão
Cremos que não deva ser de desconhecimento de nossos leitores que no Islam não há batismo. A forma de ingresso se dá primeiramente pelo estudo dos 6 Pilares da Fé e dos 5 Pilares do Islam, e do conhecimento dos direitos e deveres que terá assim que abraçar a fê. Estando em total acordo com o que aprendeu, então deverá proferir o seu Testemunho de Fé (Shahada) na frente de pelo menos duas testemunhas muçulmanas. Deste momento em diante o muçulmano é tão muçulmano quanto qualquer outro muçulmano na face da terra.
Mas e quanto ao Cristianismo? A sua forma de ingresso é pela cerimônia de Batismo. Mas comoela deve ser? Por imersão? Aspersão? Em nome da Trindade (Pai, Filho e Espírito Santo) ou apenas em nome de Jesus? Quantos batismos existem? Deve-se batizar o indivíduo enquanto criança ou quando já adulto? E quem pode batizar? Enfim, são tantas as questões que envolvem essa cerimônia que deveria ser tão simples, mas que acabou se tornando motivo de divergência no meio cristão.

Em nome de quem o cristão deve ser batizado?

Se estivermos presente a uma cerimônia de batismo tanto católica quanto protestante veremos que as mesmas em sua maioria são realizadas em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, ou seja, da Trindade. Isso baseado no texto bíblico em que lemos: 

"Portanto, ide, ensinai todas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo." (Mt.28:19)

No entanto se formos um pouco mais atenciosos encontraremos também na Bíblia:

"E os que ouviram foram batizados em nome do Senhor Jesus." (At.19:5)

Ora, se levarmos então em consideração que o batismo em nome de Jesus é inválido, segundo a maioria das igrejas atuais, as pessoas que foram batizadas em At.19:5 não foram então efetivamente batizadas?
E se a Bíblia é a palavra inequívoca de Deus como deve crer todos os cristãos, não seria esse flagrante sinal de desobediência das ordens de Jesus? Ou não seria essa mais uma das inúmeras contradições presentes neste livro já tão corrompido pela mão humana?

Infusão ou Imersão?

Batismo por Infusão
Embora seja comum, talvez por desconhecimento da maioria que a Igreja Católica também realiza o batismo por Imersão, sempre houve um certo conflito entre católicos e protestantes  sobre qual dos dois seria válido.
Martin Lutero, fundador do Protestantismo, e da primeira Igreja Evangélica conhecida como Igreja Luterana disse: "O termo batismo é grego; em latim pode ser traduzido por Mersio, uma vez que imergimos qualquer coisa em água para que o todo seja coberto pela água." 
Porém vejamos o que a Igreja Católica Romana diz a esse respeito:

"Embora realmente não seja tão comum vermos batismos por imersão na Igreja Católica - até porque a maioria dos católicos batizam seus filhos logo nos primeiros dias após o nascimento, constituindo isso um obstáculo prático para a 'popularização'  do batismo por imersão - isso não significa que ela só proceda o batismo por infusão. Tanto isso é verdade, que o Código de Direito Canônico da Igreja possibilita a adoção desse rito em seu Cán. 854: 'O batismo seja conferido por imersão ou infusão, observando-se as prescrições da Conferência dos Bispos."

Já na Didaqué, o primeiro catecismo cristão encontramos:

"Na falta de uma (água corrente) ou outra (água parada) [para imersão], derrame três vezes água sobre a cabeça, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo"


E então qual forma estaria correta?


Quantos Batismo São Admissíveis?


É curioso observarmos que hoje, em especial nas igrejas pentecostais o batismo foi tomado como uma forma de cerimonial de ingresso na instituição, e perdeu para os mesmos o significado que devia possuir originalmente, pois se acordo com a própria Bíblia o próprio Jesus (A.S.) só havia sido batizado uma única vez, e ainda podemos ler no livro sagrado dos cristãos:


"Um só Senhor, uma só fé, um só batismo..." (Ef.4:5)

Porque então se repetir um batismo a cada mudança de igreja? Seria esse mais flagrante do descaso destas igrejas em seguir as escrituras criando mais inovações?

Qual a Razão do Batismo?

Representação do Pecado Original Bíblico
Talvez leitor você se pergunte: E qual é a razão do batismo?
Vejamos o que diz um site Católico a esse respeito (os grifos em verde são do A Nova Cruzada):

"Pelo batismo nos tornamos igreja. O batismo da parte de Cristo não consiste em purificação dos pecados, mas em nascer para Deus como Seu filho. Não que Deus considere que o ser humano só é seu filho depois do batismo, mas pelo batismo tomamos posse da herança de vida eterna, que Cristo nos proporciona".


Ora!  Vamos analisar o parágrafo acima:


O batismo da parte de Cristo não consiste em purificação dos pecados. No entanto vejamos o que a Bíblia diz: 


"E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos e cada um de vós seja batizado e, nome de Jesus Cristo para perdão dos pecados, e recebeis o dom do Espírito Santo." (At.2:38).


Outro aspecto a considerar: Se o batismo só é válido em nome da Trindade, note que aqui mais uma vez um apóstolo de Jesus batiza unicamente em nome de seu Mestre e não de Pai, Filho e Espírito Santo.
Sigamos na análise do parágrafo em questão. Ele diz:


"O batismo da parte de Cristo não consiste em purificação dos pecados, MAS EM NASCER PARA DEUS COMO SEU FILHO. NÃO QUE DEUS CONSIDERE QUE O SER HUMANO SÓ É SEU FILHO DEPOIS DO BATISMO".


Ora! Então surge uma nova pergunta: Se vamos através do batismo nascer para Deus como seu filho, mas ele independente do batismo já nos reconhece como filhos, por que alguém deveria ser batizado?


Tomar posse da vida eterna: Partindo do pressuposto que toda alma é imortal, uma vez que apenas o corpo é o que morre, o que muda?


Vamos a frente:


"É até uma vergonha haver 'cristãos' que dizem que as crianças não devem ser batizadas. Quando eu olho um protestante  que diz: 'Crianças não devem se batizar porque não têm pecados', eu penso que no que se trata de dar educação religiosa para as crianças, os judeus e muçulmanos dão de 10 a 0 em nós cristãos. Isso é uma vergonha, pois impedindo uma criança de se batizar, impedimos que ela seja Igreja, impedimos que ela tome posse da herança de vida eterna  que ela tem como filha de Deus.


Analisemos então:


Ops! Aqui deve-se acender o alerta vermelho! Se formos analisar o parágrafo anterior como já fizemos, veremos que de fato não temos porque batizar uma criança ou mesmo um adulto. Não há razão para tal. Mas daí um cristão dizer que uma criança não precisa ser batizada é inadmissível pelos seu próprios dogmas, pois tanto o católico quanto o protestante creem no pecado original. Porém esse abordaremos no próximo parágrafo.


"Eu penso que no que se trata de dar educação religiosa para as crianças, os judeus e muçulmanos dão de 10 a 0 em nós cristãos."


Neste ponto sou obrigado a concordar com o autor.
E sobre a vida eterna já falamos anteriormente a respeito.


Próximo parágrafo:


"De fato as crianças não pecam gravemente, mas o pecado que as crianças têm não se trata de um pecado cometido, e sim contraído pelo pecado original de Adão e Eva, como afirma a Igreja Católica no Catecismo. São Paulo nos mostra que assim como o pecado e a morte vieram ao mundo por um só homem , e se espalhou para todos os demais homens, por um só homem, retornou a santidade e a vida. Estas podem ser alcançadas por todos os homens, através de Cristo.


O Islam rejeita  categoricamente a ideia de pecado original. Para o Islam toda criança nasce pura (em estado de fitra). Porém veremos que tanto no Antigo Testamento Bíblico como nos ensinamentos do próprio Jesus (A.S._segundo a Bíblia, não encontramos nada que corrobore tal linha de pensamento, a não ser em Paulo de Tarso, o grande deturpador do Cristianismo.
Com relação ao batismo e ao pecado original: Nós não somos responsáveis pelo pecado de Adão e Eva, e em contrapartida Jesus (A.S.) que não tem pecado algum nada tem haver com os nossos pecados, como podemos ler em:


"A alma que pecar, essa morrerá; o filho não levará a maldade do pai, nem o pai levará a maldade do filho; a justiça do justo do justo ficará sobre ele, e a impiedade do ímpio cairá sobre ele.
Mas, se o ímpio se converter de todos os seus pecados que cometeu, e guardar todos os meus estatutos, e fizer juízo e justiça, certamente viverá; não morrerá. De todas as suas transgressões que cometeu não haverá lembranças contra ele; pela justiça que praticou, viverá." (Ez:18:20-22)


Em suma: ninguém paga pelo pecado de outrem, e ninguém herda o pecado de outrem.


Origem do Batismo


Mulher judia imersa no Mikveh
A rito cristão do batismo tem origem no rito judaico do Mikveh.
Se levarmos em conta que de acordo com a crença cristã o profeta Jesus (A.S.) era um judeu, e ainda mais, um Rabino, chegaremos a conclusão que partindo deste ponto, ele no máximo teria realizado o Mikveh, e não a sua corruptela que veio a transforma-se na cerimônia de batismo.
Além do mais, se o batismo tem como função apagar os pecados passados, por que Jesus (A.S.) que não tinha qualquer pecado foi batizado?
No entanto nós muçulmanos afirmamos que o Profeta Jesus (A.S.) assim como todos os demais profetas eram muçulmanos, submissos a Deus, e não era Rabino. Seu conhecimento não veio de uma escola rabínuca tais como a de Hilel e Shamay, mas teve origem na própria revelação divina.
Sobre o Mikveh encontramos em um site judaico a explicação da função do mesmo, que é como se segue:

"Ao mergulhar no micvê, é como se a pessoa estivesse anulando-se perante a natureza de D'us, como se voltasse ao ventre materno. Ao emergir, deixa o estado de impureza, como se renascesse. Esta também pode ser a sensação da mulher ao sair do micvê, pois encontra-se renovada - como uma noiva vindo da chupá, pálio nupcial.
O micvê também é usado para outros tipos de purificação: em uma conversão, em utensílios novos, e pelos homens na véspera de Yom Kipur. Os mesmos costumam imergir diariamente antes da prece, ou ao menos na véspera de Shabat e Yom Tov."

Logo vermos que o próprio batismo não tem razão de ser, uma vez que inclusive o mikveh pode ser usado por uma pessoa até diariamente. Sendo assim que relação teria ele com o batismo?
Após analisarmos tantas informações controversas chegamos a conclusão que o batismo não tem razão de ser, o que importa de fato é o arrependimento dos pecados.
Nós muçulmanos temos como hábito após a Shahada recomendar que o novo muçulmano se banhe, seja em uma ducha ou em uma banheira. Além do mais antes de cada uma das cinco orações realizamos a ablução, uma forma também de purificação, mas que está longe de ser relacionada ao batismo.
Mediante tais informações perguntamos: Batismo para que?



4 comentários:

  1. Assalamu Aleikum !

    È por essas e outras, que mesmo sendo muito persistente eu não consegui me acertar com o cristianismo. Uma contradição leva a outra e tudo parece não ter fim........
    Excelente texto. Parabéns>

    ResponderExcluir
  2. As Salamu Alaikum Wr Wb!

    Um ótimo post, um pouko cansativo, mais vale muito apena ler...

    Que Allah te Abençoei Grandiosamente...

    Maa Salamah!

    Hanan Mustafa

    ResponderExcluir
  3. adorei o blog!! Faço Direito e estava pesquisando na internet sobre a Lei nº 228 de 2004, que proibia o uso do véu pelas mulheres muçulmanas em locais públicos e estou fazendo a defesa do uso do véu. O blog me ajudou muito nesse trabalho. Aprendi muitas coisas sobre a religião e cultura de seu povo, sanando toda e qualquer dúvida que eu tinha. Meus parabéns!! Continue nesse trabalho, pois dessa forma, muito menos pessoas terão pensamentos preconceituosos ou dúvidas sobre seus costumes.

    ResponderExcluir
  4. Assalamu Aleikum irmão! Gostaria de tirar uma dúvida que nunca antes havia me passado na cabeça. Já me reverti ao Islã faz algum tempo alhamdulillah! Porém, fui de uma religião cristã anteriormente e havia sido batizada. Seria correto eu pedir excomunhão desta religião ou como a religião não é correta mesmo, então não tem pra quê - pois não valerá de nada mesmo?

    Mah Salam!

    ResponderExcluir