terça-feira, 30 de outubro de 2012

Dia das Bruxas: Uma Simples Festa Cultural?


Dia 31 de outubro, o tão afamado "Dia das Bruxas" chegou, e com ele as festas à fantasia onde o tema central é justamente o Halloween. Nestas festas homens e mulheres aparecem com suas roupas de bruxas, magos, vampiros, múmias e semelhantes... 
Ao ser convidado por um amigo de trabalho a participar de tal comemoração que ocorreria em sua casa, obviamente neguei, agradecendo por lembrar de mim, mas explicando que nós muçulmanos não podemos participar de nenhuma comemoração que tenha algum fundo politeísta. Por isso pensei... por que não expor aqui os motivos de tal recusa? E então aqui está.

As Bases da Wicca

Imagem do deus Cornífero pintada por Goya
Antes de mais nada é importante saber que a bruxaria, mais popularmente conhecida hoje por Wicca é uma religião com base principalmente na tradição Celta, e assim como esta, é também politeísta. 
Os seguidores da Wicca adoram em especial um deus a quem chamam de "deus Cornífero" e uma deusa a quem chamam de "Grande Mãe" ou simplesmente "a deusa". Estes nada mais são que personificações de forças da natureza. 
Muitas vezes o deus wiccaniano é representado ou por um homem barbudo, com cabelos desgrenhados e chifres, ou como um bode. As vezes uma junção de ambos, enquanto a deusa adorada pelos adeptos da bruxaria é representada pela lua em suas diversas fases, ou então com o aspecto de três mulheres: uma virgem, uma mulher grávida e uma anciã.
Já a festa de Halloween é uma das principais comemorações da Wicca. Tais celebrações são conhecidas por Sabaths. Este em particular marca o fim do outono no Hemisfério Norte e também o fim do ano para seus praticantes. Nele cujo o nome se chama Samhain, a deusa está velha e entristecida e desce ao submundo em busca do deus cornífero. Segundo Diogo Ribeiro, Sacerdote Wiccaniano, pela deusa ser a detentora dos mistérios, começa a rejuvenescer o espírito do deus em seu caldeirão da transformação, preparando-o para o seu nascimento vindouro. Nesta noite os mortos são homenageados pois segundo suas crenças nesta data o véu que os separa do mundo dos vivos está mais tênue, possibilitando que os espíritos venham visitar seus entes queridos.
Este é o prenúncio do inverno onde a terra esfria cada vez mais, e no próximo Sabath de Yule o deus renascerá do útero da grande mãe, até atingir a maturidade e então se tornar o seu consorte.

O Monoteísmo Islâmico

Allah (O Deus Único)
Por nós muçulmanos sermos monoteístas, fica claro o motivo pelo qual não podemos participar de tais festividades, pois desta forma estamos assim participando da adoração a tais "divindades", e assim estamos indo de encontro ao primeiro pilar da fé islâmica: A Unicidade de Deus, expressa pela Shahada (o Testemunho da Fé Islâmica) quando dizemos: "Testemunho que não existe outra divindade além de Allah (O Deus Único)".
Se os demais estão participando consciente ou inconscientemente de tal celebração, não cabe a nós estar presentes na mesma, pois desta forma estaríamos cometendo Shirk (idolatria / Politeísmo) a única coisa que nos tira de fato do Islam.

Fonte de Pesquisa: União Wicca do Brasil

Um comentário:

  1. Assalamu Aleikum Irmão !

    Texto extremamente didático e muito bem escrito.

    Forte Abraço.

    ResponderExcluir